Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Milhares de "lenços vermelhos" marcham em Paris pela democracia

media "Lenços vermelhos" realizam "Marcha republicana das liberdades" em Paris em 27/01/2019 Alain JOCARD / AFP

Cerca de 10.500 "lenços vermelhos", segundo autoridades francesas, se manifestaram neste domingo (27) em Paris para "defender a democracia e as instituições", frente à violência dos protestos dos "coletes amarelos" nas últimas semanas.

Na marcha, onde se podia ver bandeiras francesas e europeias, os manifestantes gritavam "Sim à democracia, não à revolução". Alguns usavam camisetas com mensagens como "Eu gosto da minha república" e "Stop violência".

A taxa de comparecimento está dentro do esperado pelos organizadores da "Marcha republicana das liberdades", que esperavam reunir pelo menos 10 mil pessoas.

De acordo com Laurent Soulié, de 51 anos, organizador da marcha, os "lenços vermelhos" respondem a um chamado da "maioria silenciosa que está escondida em sua casa há 10 semanas".

Ele se refere às manifestações dos "coletes amarelos", que ocorrem todos os sábado no país há alguns meses para protestar contra a política social e fiscal do governo. Elas provocaram incidentes violentos e confrontos com forças de segurança.

De acordo com o lema da marcha, o desfile dos "lenços vermelhos" não é bem uma manifestação contra os "coletes amarelos", nem um apoio ao presidente Emmanuel Macron, mas uma defesa ampla da República.

Marie-Line, de 62 anos, enfermeira dos arredores de Paris, garante que "não é contra a ideia original (dos "coletes amarelos") de protestar um pouco", mas agora quer o fim "da violência verbal ou física".

O partido de Macron, A República em Marcha, não se manifestou sobre essa iniciativa, mas cerca de 20 deputados e seis senadores filiados ao partido participaram da manifestação.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.