Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

“Lenços vermelhos” vão protestar em Paris contra violência das manifestações dos “coletes amarelos”

media "Coletes amarelos" protestam em Paris (26/01/19). @Benoît Tessier/Reuters

Acontece neste domingo (27) em Paris uma manifestação dos chamados "lenços vermelhos", grupo que diz representar a “maioria silenciosa” na França, cansada da violência e dos distúrbios durante as manifestações dos "coletes amarelos".

No sábado (26), 69 mil "coletes amarelos" voltaram às ruas da França para protestar contra as políticas do governo de Emmanuel Macron, de acordo com números do ministério do Interior. Em Paris, quatro mil pessoas foram às ruas, com alguns confrontos entre manifestantes e forças de ordem.

A marcha dos “lenços vermelhos” está prevista para começar às 14h (11h em Brasília), na praça de la Nation em direção à Bastilha. De acordo com Caroline Garcin, secretária do novo movimento e co-organizadora da marcha, o objetivo é “rejeitar todas os atos de violência que existem hoje” e que se assemelham, segundo ela, a uma “forma de terrorismo”.

Contra bloqueios e extremismos

Os “lenços vermelhos” afirmam que a marcha não é a favor de Macron e nem contra os “coletes amarelos”. “Não queremos uma França dividida, isto está fora de questão. Trata-se de uma manifestação contra bloqueios, violência e extremismos”, declarou à RFI Théo Poulard, padeiro e porta-vos dos “lenços vermelhos”.

“Não é uma marcha de confronto contra os ‘coletes amarelos’ – escolhemos justamente o domingo porque não é o dia deles”, insiste Caroline Garcin.

Apesar de “entender os fundamentos” dessa contra-manifestação de domingo, o partido da situação, A República em Marcha (LREM), do presidente Macron, não convocou seus militantes para tomar parte do evento. Alguns parlamentares do LREM devem participar do protesto, mas nenhum dos ministros. A iniciativa dos “lenços vermelhos” já foi qualificada de “pró-Macron” pelos “coletes amarelos”.

Protesto noturno dispersado em Paris

Alguns confrontos entre manifestantes e policiais foram registrados na véspera, na praça da Bastilha. A polícia usou gás lacrimogêneo e jatos d'água para dispersar manifestantes que lançavam pedras. Pelo menos 42 pessoas foram presas na capital, segundo dados oficiais.

Ao cair da noite, centenas de manifestantes tentaram se reunir na Praça da République, onde manifestantes previam uma "noite amarela" de protesto, mas foram dispersados pela polícia. Em Bordeaux, cerca de 200 coletes amarelos conseguiram fazer o protesto noturno.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.