Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/06 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

“Não poderia amar uma mulher de 50 anos”: apresentador gera onda de indignação na França

media O escritor e apresentador francês Yann Moix. © FRANCOIS LO PRESTI / AFP

Tudo começou nesta segunda-feira (7), com a publicação na revista Marie Claire francesa de uma entrevista com o polemista Yann Moix, uma personalidade da TV e das letras na França. Moix é escritor e apresentador francês e gerou indignação nas redes sociais do país, sobretudo entre as representantes do sexo feminino. Para ele, que tem 50 anos, as mulheres da sua idade já são velhas e, por isso, "invisíveis". A declaração “quebrou” as redes sociais francesas e provocou respostas inusitadas, de famosos a anônimos.

Yann Moix tem 50 anos, mas diz não se ver ao lado de uma mulher da sua idade. "Quando tiver 60, serei capaz", afirmou o escritor, que já recebeu vários prêmios, entre eles o Goncourt [principal prêmio literário da França] pelo seu primeiro romance. As declarações polêmicas continuam ao longo da entrevista. Moix diz, por exemplo, que prefere mulheres asiáticas, principalmente coreanas, chinesas e japoneses. "É provavelmente triste e redutor para as mulheres com quem saio, mas o tipo asiático é suficiente rico, grande e infinito para eu não ter vergonha", comentou, ainda na entrevista à Marie Claire.

As reações vieram de todas as partes, e não apenas do público feminino. A ex-primeira-dama Valérie Trierweiler foi uma delas. Ex-mulher de François Hollande, ela publicou uma mensagem clara no Twitter: “Tive a honra de ser manchete do Charlie Hebdo contra a falocracia há exatamente cinco anos. Hoje dedico este desenho à #YannMoix”, tuitou.

A jornalista Colombe Schneck publicou uma foto nua de sua bunda, no Twitter: “Resposta à Yann Moix que explica em @MarieClaireFr que ‘o corpo de uma mulher de 50 anos não é nada extraordinário’, aí vai a bunda de uma mulher de 52 anos”, escreveu em uma postagem, que viralizou nas redes sociais francesas.

Os comentários masculinos aprovaram a reação de Schneck – “bela resposta a esse cretino” -, disse um. “Obrigado Yann Moix por nos fazer apreciar o belo traseiro de Colombe Schneck”, postou um outro. Com o típico humor francês, uma colega jornalista replicou: “essa foto no Instagram vem ao lado de uma dela fazendo natação. Amanhã mesmo eu compro nadadeiras, eu juro!”

“Idade mental de 5 anos”

Já a editorialista Sophie Fontanel, da revista L’Obs, publicou uma longa carta no site da revista, que desconstrói, passo a passo, cada afirmação do apresentador à revista Marie Claire. “Tenho 56 anos, então faço parte desse seu ‘público-alvo’”, ironizou. “Você tem idade mental de 5 anos. Você diz que o corpo de uma mulher de 50 anos não é extraordinário. Eu digo a mim mesma o que ninguém te ensinou, Yann, que o que é realmente extraordinário, muitas vezes vem do ordinário. Boa sorte, ‘colete amarelo’”, disparou. A editora de Le Monde Diplomatique, Mona Chollet, também não perdoou: “Yann Moix, você é um senhor triste”, publicou no Twitter.

Olivia Gregoire, deputada francesa do República em Marcha (LREM), partido do presidente Emmanuel Macron, não teve papas na língua. Também pelas redes sociais ela respondeu a Moix dizendo “Que classe, que grande classe. Mas como a burrice e a vulgaridade, elas não têm idade. Isso deve ser tranquilizador para você, que, aliás, eu duvido que as mulheres queiram...”.

Outra deputada LREM, Marie-Pierre Rixain, completou dizendo que “lendo você, parece que não houve revolução feminista. Não nos enganemos. #YannMoix não consegue compreender a unidade do nosso corpo feminino, atravessado por ondas de choque ou prazer, tenhamos 16, 25, 50 ou mais”, atacou.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.