Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/03 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/03 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/03 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/03 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/03 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/03 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/03 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Na Itália, Cesare Battisti reconhece responsabilidade por quatro homicídios
França

Imprensa francesa destaca o caso do arcebispo francês acusado de ter encoberto padre pedófilo

media O Cardeal Philippe Barbarin no primeiro dia de seu julgamento em Lyon em 7 de janeiro de 2019. REUTERS/Emmanuel Foudrot

Os principais jornais franceses desta terça-feira (8) destacam o início do julgamento do arcebispo francês Philippe Barbarin e de cinco ex-responsáveis de sua diocese acusados de não terem denunciado à Justiça agressões sexuais contra menores.

“Não sei do que sou culpado” é a manchete do jornal Aujourd’hui en France, em referência a uma declaração de Barbarin. “Estou aqui por respeito à justiça do meu país e por respeito às vítimas”, disse o arcebispo, citado na reportagem de Libération.

O arcebispo, de 68 anos, “leu uma declaração como se fosse uma missa, com a voz hesitante, faltando improvisação, mas mantendo o tom e o ritmo com o objetivo de capturar a atenção do auditório”, relata o Aujourd’hui en France. “Em sete minutos, ele apresentou sucintamente sua versão dos fatos. A seu favor.”, acrescenta Libération.

Escoteiros abusados

O escândalo estourou em 2015, depois que várias vítimas denunciaram o padre Bernard Preynat por abusos cometidos entre 1986 e 1991. As mesmas vítimas também apresentaram uma denúncia contra Barbarin por não ter recorrido à Justiça, embora estivesse a par dos fatos.

"Queremos saber a verdade sobre o silêncio e sobre a institucionalização do silêncio. Saber como e por que durante 50 anos o padre Preynat pode abusar das crianças", afirmou Alexandre Hezes, o primeiro a prestar queixa sobre o caso.

Depois de seis meses de investigação e de seis horas de interrogatório do cardeal, de 68 anos, a Procuradoria de Lyon arquivou o caso em 2016. Várias vítimas lançaram um procedimento de citação direta. Na França, isso permite à vítima recorrer diretamente a um tribunal penal. A defesa disse esperar que o julgamento "restabeleça a verdade". "Não se repara uma injustiça com outra", declarou um dos advogados de Barbarin, Jean-Félix Luciani.

Pierre Durieux, ex-braço direito de Barbarin, também está em julgamento. Ele também leu um documento, com frases reproduzidas por Aujourd’hui en France: “Entendo o vosso sofrimento, a vossa cólera [...], mas é contra a justiça nos acusar, trinta anos mais tarde, coletivamente”.

Christian Burdet, abusado pelo padre Preynat, declarou, com lágrimas nos olhos: “É difícil agora sermos considerados como os culpados". "Culpados de terem vindo, adultos, pedir satisfação à hierarquia católica”, acrescenta o jornal francês.
Se condenados, os acusados podem pegar até três anos de prisão e pagar multas de até € 45 mil (cerca de R$ 191 mil).

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.