Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França vai cobrar mais impostos dos gigantes da internet

media Os GAFA (Google, Apple, Facebook e Amazon) são os principais alvos da medida francesa. Damien MEYER / AFP

O governo francês anunciou que pretende fechar o cerco para que os gigantes da internet paguem mais impostos no país. O principal alvo são os chamados GAFA (Google, Apple, Facebook e Amazon), que aproveitam da proteção europeia para instalar suas filiais em países com legislações mais vantajosas.

A França começará a taxar os gigantes da internet a partir de 1º de janeiro, anunciou nesta segunda-feira (17) o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, durante uma entrevista coletiva. Segundo ele, a medida deve gerar cerca de € 500 milhões para os cofres públicos do país.

O anúncio representa uma mudança de tom com relação as declarações anteriores do executivo francês, que até o final do mês ainda tentava impor a medida de forma coletiva, com a participação da União Europeia. Os países do bloco discutiram durante dois anos a possibilidade de criação de uma taxa de 3% sobre o faturamento dos GAFA.

No entanto, Irlanda, Dinamarca e Suécia sempre se opuseram ao imposto. A Alemanha nunca foi oficialmente contra, mas também não apoiou a França, temendo as retaliações dos Estados Unidos contra sua indústria automobilística.

Diante do fracasso na mobilização de Bruxelas, Paris decidiu avançar sozinha. As autoridades francesas sempre acusaram os gigantes da internet de driblarem a legislação europeia para pagar menos impostos, declarando seu faturamento em países com menor tributação.

O ministro francês, aliás, quer ir além de um imposto sobre o faturamento e prevê apresentar um projeto para que a renda com publicidade, assim como a revenda de dados pessoais seja tributada.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.