Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Feira de Natal reabre em Estrasburgo depois de morte de atirador

media A tradicional Feira de Natal de Estrasburgo PATRICK HERTZOG / AFP

A cidade francesa aos poucos volta ao normal depois da morte de Chérif Chekatt, autor do ataque que deixou 4 mortos e 13 feridos na última terça-feira (11). Ele estava foragido mas foi identificado pela polícia em um prédio perto do centro de Estrasburgo, nesta quinta-feira (13), morrendo durante uma troca de tiros. O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou o atentado.

Depois de dois dias de expectativa com a fuga de Chérif Chekkat e o risco de novos ataques, a população de Estrasburgo volta a respirar aliviada. A tradicional Feira de Natal, com seus 300 chalés, reabre nesta sexta-feira (14), anunciou o prefeito da cidade, Roland Ries, mas sob um forte esquema de segurança. Também há restrições de circulação e estacionamento.

Pela manhã, policiais fortemente armados circulavam no local, no centro da cidade. Depois atentados de Paris de 2015 e contra a feira natalina de Berlim, em dezembro de 2016, as medidas de segurança foram reforçadas na cidade. O orçamento para a segurança passou de € 300.000 para € 1 milhão.

Na praça Kléber, as luzes do pinheiro de Natal foram novamente acesas. Estrasburgo esperava receber, neste ano, no Natal, a visita de cerca de dois milhões de pessoas e cerca de € 250 milhões.

"A vida precisa continuar", declarou o comerciante Richard Schimitt, que tem um stande de produtos italianos no local. "Fico feliz que a vida volte aos poucos ao normal. Essa perseguição era um peso para a população. Claro que é emocionante. Normalmente, não há velas acesas em homenagem às vítimas", disse Cécile, moradora da cidade francesa. Entre os 13 feridos, três pessoas ainda estão entre a vida e a morte, e três deixaram o hospital, declarou o ministro do Interior, Christophe Castaner.

Chekatt foi abordado por volta das 21h00 no horário local (18h00 em Brasília), por três policiais, quando andava pela rua. Eles tentaram detê-lo, mas o autor do ataque reagiu atirando, sendo atingido em seguida, segundo Castaner. Na quarta-feira (12), a polícia francesa divulgou um cartaz com a foto de Chekkat, pedindo a ajuda da população para encontrá-lo. Mais de 700 homens participaram da busca.

“Soldado do EI”

A agência de propaganda do grupo Estado Islâmico, a Amaq, divulgou um comunicado afirmando que Chérif Chekatt "fazia parte dos soldados do Estado Islâmico e realizou esta operação respondendo ao chamado para atacar cidadãos da coalizão internacional" que combate o EI na Síria e no Iraque. As autoridades francesas estão verificando a autenticidade da reivindicação.

Nascido na França, o autor do ataque era um delinquente conhecido da polícia, e havia sido condenado 27 vezes por delitos comuns. Ele se radicalizou na prisão e chamou atenção das autoridades pelo proselitismo agressivo. Em sua cela, Chekkat tinha uma foto de Ben Laden, mentor dos ataques de 11 de setembro de 2011 em Nova York. Ele era monitorado pela polícia e deveria ter sido preso na véspera do atentado por um delito comum, mas conseguiu fugir.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.