Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/01 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 13/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 13/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Brexit/Reino Unido: Governo de Theresa May escapa por pouco de moção de censura
França

Milton Hatoum fala a Libération: “Bolsonaro liberou o racismo, o machismo e a homofobia”

media Milton Hatoum vencedor do prêmio Roger Caillois wikipedia

O jornal Libération desta quarta-feira (12) traz uma longa entrevista com o escritor brasileiro Milton Hatoum, que recebe na quinta-feira (13) o prêmio Roger-Caillois de literatura latino-americana. O texto é uma longa reflexão sobre os “tempos difíceis que se anunciam no Brasil”, diz o jornal francês, com o novo governo que vai se instalar no país.

“A eleição de Bolsonaro foi uma derrota brutal, principalmente para a cultura. Fomos derrotados pela extrema direita, o que não é pouco”, diz Hatoum ao Libé. O escritor faz um apelo à solidariedade da França, que acolheu muitos exilados durante os anos de chumbo das ditaduras militares na América Latina.

Hatoum explica que para Bolsonaro, os intelectuais são os inimigos, “taxados de comunistas, libertinos que querem destruir a família”. O escritor acredita que universitários e artistas também devem estar atentos.

Mas ele acrescenta que os mais ameaçados são as minorias sexuais, os indígenas, os negros e as mulheres. “A vitória de Bolsonaro liberou o racismo, o machismo e a homofobia. Ele fala de negros como se fossem animais”, diz.

Atrocidades banais

Hatoum cita, em seguida, atrocidades que já viraram banalidade na biografia do futuro presidente, como dizer que prefere morrer a ter um filho homossexual, declarar que a deputada Maria do Rosário seria feia demais para ser estuprada, ou ter como livro de cabeceira as memórias de um carrasco da ditadura, o coronel Brilhante Ustra.

Questionado se o Brasil perdeu a cabeça ao eleger Bolsonaro, Hatoum explica a conjuntura que levou à eleição do candidato. Começando pelos 13 milhões de desempregados, os desiludidos de esquerda e de direita, todos em busca de algo que fosse contra o sistema vigente. “Apenas uma minoria foi seduzida pela ideologia racista e militarista”, diz.

Hatoum explica que a direita no Brasil preferiu relativizar a ameaça Bolsonaro a apoiar o candidato petista Fernando Haddad. “Uma boa parte da burguesia que se diz esclarecida defende com unhas e dentes seus privilégios, alegadamente ameaçados pelas políticas de distribuição do PT”.

Sobre o novo gabinete, Hatoum fala de um cenário tragicômico, entre teatro do absurdo e teatro de fantoches, com ministros delirantes, dignos de casos clínicos, medíocres e ultraconservadores em postos-chave.

"Nova ditadura não terá vez"

Mas Hatoum não teme pela democracia. “Nossas instituições são frágeis, a justiça é tendenciosa, mas funciona. O Brasil mudou muito. É um país mais complexo, instruído, urbano”, explica, acrescentando que uma nova ditadura não terá vez.

Com uma obra que se passa principalmente no norte do Brasil, de onde é originário, Hatoum faz um alerta para o perigo que sofre a Amazônia e os indígenas. “Os territórios indígenas serão usurpados pela agroindústria e pela mineração. E o governo será arbitrário e cruel com eles”, sentencia o escritor.

Qualificado como pessimista pelo entrevistador, Milton Hatoum se diz antes um “otimista desesperado”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.