Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/12 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista
 
O economista Thomas Coutrot, chefe do departamento de condições de trabalho e de saúde do Ministério do Trabalho da França. Captura vídeo

Os “coletes amarelos” começaram bloqueando rodovias importantes na França, antes de chegarem aos protestos violentos vistos em várias cidades, incluindo a capital. O fechamento de áreas de transporte público, acompanhado de enfrentamento direto da polícia, deve se tornar regra entre os manifestantes franceses, de acordo com análise do economista Thomas Coutrot, entrevistado pela RFI.

Chefe do departamento de Estatística do Ministério do Trabalho na França, Thomas Coutrot é conhecido também por ser um dos fundadores da famosa associação militante cidadã Attac France. Ele afirma que antigas formas de protesto não têm mais efeito e deixaram de se impor como “ferramenta de negociação com o capital”.

Coutrot lembra que é a primeira vez que a França assiste a uma mobilização nacional que trabalha essencialmente com a questão dos “bloqueios”. “Eles barram o acesso às cidades, aos pontos de gasolina, supermercados, lojas, estradas. Ataca-se a mobilidade. Interrompem-se os fluxos de carros, ônibus e caminhões, a principal forma de circulação de mercadorias na Europa. É interessante, porque os ‘coletes amarelos’ não bloqueiam a produção [como as greves], eles bloqueiam a circulação. Mas os efeitos são similares: uma paralisia da economia”, destaca.

“Tornou-se muito difícil bloquear a economia através dos movimentos grevistas, como foi feito em Maio de 68, ou em 1995 e 2003. Agora está muito difícil para os trabalhadores fazerem greve, com a precarização do trabalho, pelo medo de perder o emprego, acho que isso explica a forma que tomou esse movimento”, explica.

Organização online

Para o economista, outro ponto de evolução é “auto-organização dos protestos”, em grande medida independentes das mobilizações sociais tradicionais. “Eles não se sentem considerados e lançam movimentos auto-organizados, espontâneos, partindo da base, sem nenhum tipo de organização prévia”, analisa. Neste contexto, as redes sociais se tornam a ferramenta de convocação primária deste tipo de mobilização social.

Os “coletes amarelos” devem produzir consequências profundas no cenário político francês, mesmo que não seja a curto prazo, de acordo com Coutrot. “Macron é muito rígido na concepção que tem do poder. Em sua ignorância sobre os anseios da população. O movimento deve conseguir paralisar o governo nas próximas reformas. A lição que os franceses aprenderam com os ‘coletes amarelos’ é que a única maneira de bloquear as ações deste governo é ‘tacar fogo’ na rua, fazer barricadas.”


Sobre o mesmo assunto

  • França

    Macron recua, mas "coletes amarelos" querem vingança pelo desprezo do presidente

    Saiba mais

  • França/ "Coletes amarelos"

    Plano de Macron para conter os “coletes amarelos” é aprovado pelo Parlamento francês

    Saiba mais

  • França

    Recuo do governo não acalma "coletes amarelos", que preparam quarto sábado de protestos

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.