Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 13/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 13/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 13/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Governo francês recua e vai suspender aumento nos impostos sobre combustíveis

media Coletes amarelos exigem renúncia do presidente francês, Emmanuel Macron, durante protesto na avenida Champs Elysées, em Paris. 01/12/18. REUTERS/Stephane Mahe

O governo francês busca uma saída urgente para a crise social deflagrada pelo movimento dos "coletes amarelos" no país. O primeiro-ministro Edouard Philippe, escalado pelo presidente Emmanuel Macron para negociar com representantes do movimento e partidos políticos, deve anunciar nesta terça-feira (4) uma moratória de vários meses no aumento do imposto sobre os combustíveis. No entanto, os militantes dizem que a decisão não será suficiente e prometem uma nova manifestação no próximo sábado (8).

A tributação ecológica, que deveria entrar em vigor dia 1° de janeiro, previa um aumento de € 0,065 (R$ 0,28) no litro do diesel e € 0,029 (R$ 0,12)no litro da gasolina, mas será suspensa. Segundo fontes do governo, o anúncio será feito nesta terça-feira. A decisão foi tomada depois de reunião de emergência entre Macron e Philippe na noite de segunda-feira (3).

No entanto, as reivindicações dos "coletes amarelos" se intensificam e vão além da suspensão do aumento no imposto sobre os combustíveis, destinado a financiar a transição energética para uma economia de baixo carbono. Integrantes do movimento já reagem na manhã desta terça-feira, dizendo que a moratória não é suficiente e mantém a convocação de novas manifestações no próximo sábado (8).

"Os franceses não querem migalhas, eles querem a baguete inteira", afirma Benjamin Cauchy, um dos líderes dos "coletes amarelos". Ele exige uma revisão geral da tributação na França, a distribuição das riquezas e a realização de referendos sobre as principais questões envolvendo o país.

O restabelecimento do Imposto Sobre a Fortuna (ISF), suprimido por Macron - outra reivindicação dos manifestantes -, é descartado pelo governo. Entretanto, o executivo poderia aumentar os impostos cobrados na transmissão de heranças e nas doações de bens, segundo economistas próximos de Macron.

O presidente francês anunciou na segunda-feira um abono excepcional aos policiais, que reivindicam do ministro do Interior a revisão completa do dispositivo de segurança para enfrentar os grupos de vândalos e manifestantes radicalizados, que exigem a renúncia do presidente.

Emergência econômica

A maior entidade patronal francesa, o Medef, alerta que a França está quase em estado de emergência econômica. Só nos setores de transporte e turismo, as perdas causadas pelos bloqueios dos coletes amarelos a zonas comerciais vão de 20% a 30% no faturamento das empresas.

As reservas de hotéis para as festas de fim de ano em Paris caíram mais de 10%. Já o movimento tende a engrossar, com a adesão de estudantes do Ensino Médio e agricultores, além dos coletes laranjas, os trabalhadores independentes da construção civil.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.