Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/05 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Número de pessoas com depressão aumenta principalmente entre mulheres na França

media Mulheres e desempregados são as pessoas que mais desenvolvem depressão. Pixabay

Um estudo divulgado nesta terça-feira (16) pela agência Saúde Pública França aponta que o número de pessoas com depressão teve um aumento expressivo nos últimos sete anos no país. Entre as maiores vítimas deste distúrbio estão mulheres, desempregados, estudantes, pessoas com baixa renda e com menos de 45 anos.

Uma pesquisa realizada pela agência Saúde Pública França com mais de 25 mil pessoas em 2017 e cujas conclusões são divulgadas nesta terça-feira, mostrou que um a cada dez adultos de 18 a 75 anos viveu um episódio de depressão nos últimos 12 meses. Segundo o estudo, o distúrbio não corresponde a uma "tristeza passageira" que pode acontecer com qualquer indivíduo, mas é registrado dentro de critérios precisos, como o registro de um período de ao menos 15 dias de tristeza ou perda de interesse associada a ao menos três fatores secundários: perda ou ganho de peso, dificuldades no sono e pensamentos mórbidos.

O aumento da depressão atinge sobretudo as mulheres (13%) em relação aos homens (6,4%). Uma particularidade que pode ser explicada, de acordo com o organismo, pela diferença em relação às posições sociais que os indivíduos dos dois sexos ocupam ou pela dificuldade dos homens assumirem que estão enfrentando esse problema.

As pessoas com salários mais baixos são as mais atingidas pelo distúrbio, com um aumento de 3 pontos percentuais entre 2010 e 2017. A depressão progrediu especialmente entre as pessoas de 35 a 44 anos (4,4% em relação a 2010) e estudantes (4%).

Medo do desemprego

Os distúrbios depressivos são responsáveis por até 45% dos afastamentos no trabalho. Ao menos 8,2% dos trabalhadores na França enfrentaram um episódio de depressão. Ameaças verbais e físicas, além do medo do desemprego aumentam o risco de um indivíduo desenvolver o distúrbio no período ativo da vida.

Em um outro estudo, a agência Saúde Pública França registra uma maior procura por tratamento contra distúrbios de ansiedade no país, entre 2010 e 2014. No total, 1,3 milhão de franceses recorreram à ajuda psiquiátrica: um crescimento de 3,7% entre os homens e 3,6% entre as mulheres. Para o organismo, o quadro é preocupante já que "30% dos pacientes não respondem aos antidepressivos produzidos atualmente pela indústria farmacêutica".  

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.