Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 13/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 13/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 13/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

“Enforquem os brancos”: rapper francês é investigado por incitar o ódio

media O jornal Le Figaro desta quinta-feira desta o polêmico clipe de um rapper francês acusado de racismo antibranco, 27 de setembro de 2018 Fotomontagem RFI

O jornal Le Figaro desta quinta-feira (27) destaca o polêmico clipe do até então desconhecido rapper Nick Conrad. No vídeo, publicado na semana passada nas redes sociais, é possível ver um homem branco sendo torturado e enforcado sob o refrão “Pendez les blancs” ("Enforquem os brancos", em português).

“Entro na creche, mato os bebês brancos. Rápido, peguem todos e pendurem os pais”. Essa é a letra inicial do clipe de mais de 9 minutos, acompanhado de cenas absurdamente violentas, ressalta o jornalista do Le Figaro, Stephane Kovacs. “Queimar”, “torturar”, “desmembrar” ou até “dar tiros na cabeça”, são outros termos usados nesta “onda de incitação ao assassinato contra brancos”, diz o jornalista.

O jornal lembra que o rapper era totalmente desconhecido do grande público. Mas “este artista negro, parisiense orgulhoso e refinado”, como ele mesmo gosta de falar, está agora sob a mira da justiça em uma investigação por “incitação pública a cometer um crime ou um delito”.

O clipe – que começou a ser retirado das diferentes plataformas de vídeos online – começa pelo que seria a cena final, com o homem branco enforcado e pendurado durante a noite, em um bairro da periferia de Paris. Nas cenas seguintes, vemos ele sendo escolhido de forma aleatória e sequestrado com um saco de lixo na cabeça. Começa então minutos de tortura, com dois homens negros colocando o cano do revólver na boca da vítima. Eles deixam o homem fugir, e dão risada ao dizer que “os brancos correm rápido”, antes alvejá-lo pelas costas.

Cheiro de morte e sangue escorrendo

“Cortem os membros, para divertir as crianças negras, grandes ou pequenas. Quero sentir o cheiro da morte e ver o sangue escorrer”. Com essas palavras, o vídeo filma um homem ter a cabeça esmagada na quina de uma calçada, em referência ao filme American History X. O clipe também traz uma citação do militante afro americano Malcolm X: “O preço para fazer com que os outros respeitem os seus direitos humanos é a morte”.

A classe política francesa criticou duramente o clipe. O representante do partido de direita Les Républicains no Senado, Bruno Retailleau, afirmou que “se algumas pessoas têm esse discurso, é porque existe uma certa forma de impunidade”. “É essa violência que alimenta o terrorismo”, ressaltou o político. O ministro do Interior, Gerard Collomb, lembrou que artistas, como Nick Conrad, possuem um público jovem e que “é dessa forma que pervertemos a sociedade da pior forma possível”.

As investigações foram confiadas à Brigada de Repressão a Delinquência Contra Pessoas. Segundo a lei de liberdade da imprensa, os fatos podem ser punidos com uma pena que pode chegar a cinco anos de prisão e multa de € 45 mil.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.