Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

“Uber só para mulheres”: aplicativo francês propõe serviço mais seguro para público feminino

media Kolett propõe um serviço exclusivo para mulheres REUTERS/Simon Dawson/Illustration

A França lançou nesta quarta-feira (12) um aplicativo de motorista privado exclusivo para mulheres. O Kolett, como foi batizado, será testado primeiro na capital parisiense e deve chegar em breve nas cidades menores. O objetivo do primeiro mês, de acordo com os criadores, é atingir 3.000 corridas.

O serviço contará apenas com motoristas do gênero feminino, com a intenção de propor um espaço mais seguro e reduzir os casos de assédio e agressão contra as mulheres. “Uma vez, estava saindo de uma festa e já estava tarde, mas hesitei em pegar um táxi. Nessas situações, não temos vontade de entrar num carro com um desconhecido”, afirmou Valérie Furcajq, cofundadora do aplicativo.

“É mais do que uma questão de segurança. Em alguns momentos preferimos evitar certos comentários”, continua a empreendedora de 40 anos. Ela conta que pôs fim a uma carreira de 12 anos para se dedicar à criação do Kolett com dois amigos: Julien Lipkowicz, de 38 anos, e Laurent Kadoche, de 42.

Homens só podem entrar se estiverem acompanhados por mulheres

Há um pouco mais de um ano, o trio começou a planejar o projeto. “95% dos motoristas de aplicativos são homens”, constata Valérie. “Não há nenhuma razão para que as mulheres não exerçam essa profissão”. 40 candidatas já se apresentaram.

“Nós recrutamos as motoristas graças ao boca a boca”, conta Julien Lipkowicz. Foi Valérie quem fez o anúncio em fóruns da internet e, pouco a pouco, passou a mensagem: “As próprias motoristas nos apresentaram suas amigas e a equipe foi crescendo.”

Quanto ao preço, o aplicativo vai levar em conta as tarifas de serviços similares, como o Uber. Em Paris, o mínimo de uma viagem é € 9 (cerca de R$ 40). Os carros também contarão, obrigatoriamente, com um assento para bebês. Os homens serão aceitos – mas somente se estiveram acompanhados por mulheres.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.