Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

 
Marcelo Matos Araújo, presidente do Ibram. Acervo pessoal

Um dia após o incêndio de grandes proporções que atingiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, a RFI conversou com Marcelo Matos Araújo, presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), órgão responsável pela administração direta de 30 instituições do país.

Até agora é difícil avaliar as consequências dessa tragédia para o Brasil. “É um impacto terrível, toda a coleção que estava dentro do museu teve destruição total, isso é uma perda irrecuperável e irreparável para a cultura brasileira e mesmo para a cultura mundial”, avalia Araújo.  “O acesso ainda não foi autorizado, mas as primeiras avaliações dizem que o prédio se manteve, mas todo o acervo que se encontrava lá dentro foi destruído”, completa.

Somente depois que for autorizada a entrada nos escombros do edifício centenário e os profissionais puderem fazer uma vistoria, é que será possível fazer um diagnóstico preciso dos estragos. “É um prédio muito grande, tem mais de três mil metros quadrados e esse processo vai ter que ser feito com muito cuidado para identificar eventuais peças ou destroços. O tempo necessário para isso ainda não pode ser definido”, explica o presidente do Ibram. “A maior preocupação é aguardar a liberação do local para que os técnicos de conservação e segurança do museu possam entrar e fazer essa avaliação dos danos e das ações de recuperação que possam ser empenhadas”.

Marcelo Matos Araújo diz que ainda é cedo para afirmar o que provocou as chamas e que somente após o trabalho da perícia será possível conhecer as causas do incêndio. Entretanto, a grande repercussão desse fato pode servir de alerta para os brasileiros. “A nossa expectativa é que diante dessa tragédia a sociedade brasileira possa ter uma outra posição em termos de reconhecimento da importância da preservação do patrimônio cultural. Que nós tenhamos no Brasil políticas mais consolidadas e que haja um apoio mais consistente para o desenvolvimento dessas ações”, invoca.

Fatalidade antes de restauração

As chamas que destruíram praticamente duzentos anos de história surpreenderam a administração do Museu Nacional às vésperas de um projeto de revitalização. “O museu seguia procedimentos adequados, é uma infelicidade imensa. É claro que em termos de preservação havia toda uma iniciativa de treinamento de equipes, de tomada de posição, o museu estava se preparando para iniciar um projeto de restauro, então é uma fatalidade, uma tragédia imensa”, declara o dirigente do Ibram.

“Da parte do Ibram, nós temos uma grande preocupação e consciência, o que nós esperamos é que a sociedade brasileira como um todo possa ter uma visão da necessidade da preservação do patrimônio cultural brasileiro”, espera Marcelo Matos Araújo. “Assegurar a preservação adequada do patrimônio histórico e cultural brasileiro é uma responsabilidade de toda a sociedade brasileira”, conclui.

 

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.