Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Macron chama franceses de "gauleses refratários a mudanças"

media O presidente Emmanuel Macron durante coletiva de imprensa na Finlândia. Lehtikuva/Antti Aimo-Koivisto via REUTERS

No último dia de sua visita de Estado à Dinamarca, o presidente Emmanuel Macron comparou os dinamarqueses, abertos a reformas, com os franceses, chamados de “gauleses refratários a mudanças”. A frase provocou uma onda de indignação na França.

Emmanuel Macron fez a declaração diante da comunidade francesa da Dinamarca, na quarta-feira (29), em Copenhague. Em seu discurso, o presidente francês elogiou o modelo dinamarquês de “flexibilidade e segurança” e admitiu diferenças culturais entre os dois povos que impedem a aplicação desse modelo na França. “Mas temos em comum o lado europeu que nos une”, afirmou Macron que tenta consolidar sua campanha pró-União Europeia contra o campo populista que ganha terreno no bloco.

No verão de 2017, Macron já havia afirmado que os “franceses destestam reformas” e a comparação com os dinamarqueses veio reforçar sua imagem de “arrogante”.

“Desprezo com os franceses”

Macron tentou conter a onda de indignação provocada por sua frase dizendo que tinha sido “irônico”, mas as críticas contra ele não param neste momento em que o governo inicia negociações sociais com sindicatos e empresas. Da extrema-esquerda à extrema-direita, os líderes políticos denunciam um desprezo do presidente.

O deputado do partido França Insubmissa, Eric Coquerel, vê na atitude de Macron uma estratégia para “desviar a atenção dos franceses das dificuldades econômicas e políticas, como a demissão do ministro da Ecologia Nicolas Hulot, enfrentadas pelo executivo.” Outro deputado do partido de extrema-esquerda, Alexis Corbière, denunciou no Twitter, “uma tolice desconcertante.”

O líder do partido conservador Os Republicanos, Laurent Wauquiez, avalia que o presidente não está à altura do cargo. “Com esta frase, Macron alimenta uma caricatura absurda feita constantemente sobre os franceses. Ele não entendeu nada sobre o papel de um presidente no exterior”, alfinetou Wauquiez.

A presidente do partido Reunião Nacional de extrema-direita, Marine Le Pen, disse que “como sempre, Macron despreza os franceses fora do país.” “Os gauleses terão prazer em responder a sua arrogância”, lançou.

As reações concretas já se anunciam. Se dizendo “irredutíveis gauleses”, numa referência ao famoso personagem Astérix, a central sindical FO, uma das mais importantes do país, já convoca uma greve geral. Ela convidou nesta quinta-feira (30) os outros sindicatos da França a uma paralisação em outubro contra a política governamental

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.