Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Moda de doces infantis com gosto de bebidas alcoólicas preocupa médicos da França

media O jornal Aujourd'hui en France destaca uma preocupante moda na França: produtos alimentícios para crianças que imitam sabores de bebidas alcoólicas. Reprodução RFI

"Gosto de álcool: a moda que incomoda" é a manchete do jornal Aujourd'hui en France desta quinta-feira (19) sobre balas, refrigerantes, sorvetes e iogurtes para crianças que imitam sabores de bebidas e coquetéis alcoólicos. Os especialistas em vício se preocupam sobre o impacto que esses produtos podem ter na vida das crianças.

Sabor mojito, margarita, pina colada ou spritz: todos esses são célebres coquetéis alcoolizados, mas, na França, eles são também sabores de diversos produtos alimentícios e fazem sucesso até mesmo nas mercadorias para a higiene, já que perfumam xampus, sabonetes, cremes e óleos para o corpo. Nas embalagens das balas da marca Lutti, a segunda maior em vendas de doces na França, consta a seguinte frase: "não quer esperar sexta-feira à noite para beber seu próximo mojito? Leve já sua mini-dose (sem álcool) por todos os lugares".

Claro, esses produtos não são alcoolizados, mas "será que eles podem influenciar o público e, sobretudo, as crianças?", questiona Aujourd'hui en France. Para os médicos especialistas em vício ouvidos pelo diário, não há dúvidas. "Em termos de saúde pública, é uma besteira maluca", diz o presidente da associação SOS Adição, William Lowenstein. Segundo ele, as lembranças da infância têm um papel importante na vida adulta e vai conduzir essa criança a subestimar o risco do álcool quando crescer.

Entrevistado pelo Aujourd'hui en France, o psiquiatra especialista em vício, Amine Benyamina, faz um alerta: o marketing dos sabores de coquetéis induz sim os mais jovens a consumirem bebidas alcóolicas, com campanhas publicitárias classificadas por ele como "abomináveis e insalubres".

Alcoolismo mata 50 mil pessoas por ano na França

O jornal lembra que o consumo de bebidas alcoólicas está relacionado a 50 mil mortes por ano na França. O país, um dos maiores produtores de vinho do mundo, pena para adotar políticas públicas contra o alcoolismo. A França conta até mesmo com uma bebida não-alcóolica para as crianças que imita o champanhe, o famoso Champomy.

Para saber o que acham mães e pais franceses, a reportagem do Aujourd'hui en France saiu pelas ruas de Paris, propondo balas com sabor de coquetéis para as crianças. O repórter se chocou ao encontrar meninas e meninos pequenos, de até 9 anos, que, ao experimentar o doce comentam que já conheciam o gosto de certos drinks e que os provaram junto a familiares. Uma garota de 11 anos relata até mesmo que frequentemente, com os pais, prepara mojitos - receita que conhece ao pé da letra. 

Aujourd'hui en France ressalta que a lei francesa não proíbe a venda de produtos para crianças com sabor de drinks, porque, mesmo que façam referência a bebidas alcoólicas, não são alcoolizadas. Mas segundo a Direção Geral de Saúde da França, ironicamente, esses produtos devem exibir em suas embalagens a seguinte mensagem: "o abuso de álcool é perigoso para a saúde".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.