Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Francesas relatam agressões sexuais durante comemorações da Copa

media Agressões e assédios de mulheres aconteceram em toda a França durante as comemorações da vitória da seleção francesa no Mundial. REUTERS/Charles Platiau

Com a vitória da seleção francesa na Copa do Mundo, no último domingo (15), os torcedores saíram em massa às ruas de toda a França para celebrar a conquista. Enquanto o dia foi de festa para a maioria, para muitas mulheres, a data vai ficar marcada devido às agressões e ao assédio sexual que sofreram.

"Vamos lembrar apenas do positivo deste dia, esquecendo dos caras que tentaram me beijar à força." Mensagens como essas lotaram as redes sociais francesas no último domingo, acompanhadas da hashtag #MeTooFoot, fazendo referência ao movimento de denúncias de assédios e agressões sexuais que chacoalhou o mundo inteiro no ano passado.

São dezenas de depoimentos chocantes de beijos e toques forçados e relatos de mulheres que tentavam a todo o custo se desvencilhar de torcedores abusivos. A maioria dos casos teve como palco a avenida Champs-Elysées, no centro de Paris, onde foi registrada a maior concentração de pessoas após a façanha da seleção francesa.

"Um homem bêbado passa a mão na minha bunda e tenta me beijar à força", conta uma jovem francesa no Twitter. "Eu o empurro e ele agarra meu pescoço, dizendo: 'é a festa da vitória, o que você espera?'".

Outras agressões foram registradas em diversos pontos da capital francesa, como a avenida Grands Boulevards, onde uma garota relata que ficou com medo de ser estuprada por um homem, enquanto as pessoas ao redor riam da situação. "Ele enfiou a língua na minha boca e, enquanto eu me debatia, apertou meus seios e colocou a mão entre as minhas pernas", publicou a jovem.

As histórias, no entanto, vêm de toda a França, como a de uma garota na fan zone de Lyon. "Tentei sair do meio da multidão porque não aguentava mais e em todo o trajeto levei tapas na bunda", escreve. Na mesma fan zone, uma jovem descreve: “um homem me segurou e bateu na minha bunda, dizendo: no próximo gol, ela será minha”.

As agressões também foram registradas nos bares onde muita gente se reuniu para assistir à partida final da Copa. Uma internauta relata no Twitter que, assistia ao jogo em um pub, e ao comemorar o terceiro gol da França, um homem aproveitou para tocar seu sexo. "Fiquei horrorizada e paralisada durante um longo momento", relembra.

Outra garota diz que no banheiro de um bar, se deparou com um homem nu. “Obrigada a todos os trogloditas que aproveitaram para passar a mão em mim na multidão e também àquele que se desvestiu diante de mim no banheiro de um bar e me convidou para fazer o mesmo”, escreve.

Assédio de rua é crime

Na França, o assédio sexual de rua é crime punido com multa que varia de € 90 a € 750 (R$ 386 a R$ 3.224), dependendo do caso. Segundo a legislação, podem ser punidos desde gestos e declarações inconvenientes até assobios. Já a agressão sexual é crime passível de cinco anos de prisão e de € 75 mil de multa (R$ 322 mil).

Entrevistado pela rádio Europe 1, o chefe da polícia de Paris, Michel Delpuech, fez um apelo nesta quarta-feira (18) para que as mulheres não apenas publiquem os relatos nas redes sociais, mas registrem os casos nas delegacias. "Podemos investigar essas denúncias e, claro, responsabilizar os agressores que forem identificados", declarou.

Mas muitas mulheres alegam que não fizeram boletim de ocorrência porque acreditam que a polícia nunca irá encontrar os assediadores, sendo impossível identificá-los.

No Twitter, o secretariado de Estado encarregado da igualdade entre homens e mulheres também reiterou o pedido da polícia e frisou que toda a agressão ou assédio sexual devem ser punidos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.