Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

"Fazendas de sangue" sul-americanas abastecem laboratórios europeus, denunciam ONGs

media Imagem feita pela ONG Welfarm Animal Welfarm Foundation

Um vídeo divulgado essa semana por associações de defesa dos animais denuncia a prática de abortos e de maus tratos de éguas nas chamadas “fazendas de sangue” da América do Sul. A imprensa europeia tem dado destaque ao procedimento usado para extração de um hormônio, empregado em fazendas francesas.

Segundo os ativistas de associações como Welfarm, milhares de éguas prenhas têm o sangue drenado, independentemente de sua saúde ou do risco de perda dos potros, para a produção do hormônio eCG (hormônio gonadotrófico eqüino) que é secretado no animal e depois utilizado para a indução e sincronização do cio em porcas na Europa.

A investigação revela que milhares de éguas do Uruguai e da Argentina são sistematicamente torturadas e mortas para abastecer a indústria de leitões na Suíça e na União Europeia. O negócio do sangue representa milhões de dólares e acontece de forma descontrolada e até tolerada nos dois países sul-americanos citados na denúncia. Os ativistas afirmam que os consumidores europeus precisam estar cientes dessas práticas.

Amarradas em baias, as éguas têm o sangue retirado com a ajuda de agulhas especiais. A operação leva cerca de dez minutos, tempo necessário para a retirada de vários litros de sangue.

Video divulgado pela Welfarm sobre as fazendas de sangue

 

Leis de proteção animal inexistentes

As imagens foram gravadas entre janeiro e abril 2018 pelas associações de Zurique-Tierschutzbund (TSB) e Fundação Animal Welfare (AWF), dentro de 5 "fazendas de sangue" da América do Sul. O hormônio retirado nesses locais é altamente valorizado por laboratórios farmacêuticos por permitir que os produtores controlem a ovulação e o nascimento de outros animais, como cabras e porcos.  

No dia 17 de julho, véspera da transmissão do vídeo com a denúncia, sob pressão das associações TSB e AWF, o laboratório alemão IDT Biologika anunciou que estava desistindo dessas fazendas. A Welfarm está em campanha para que outros laboratórios da Europa façam o mesmo, a fim de acabar com essa indústria sangrenta.

Na Argentina e no Uruguai, as leis de proteção animal são quase inexistentes. Os laboratórios podem, portanto, comprar eCG de baixo custo. Em 2017, a França importou US $ 5,12 milhões em eCG. Em 2018, as vendas já ultrapassam US $ 3,96 milhões.

Uma molécula para substituir o eCG

Este vídeo demonstra não apenas que a violência é inerente às fazendas de sangue, mas também que as auditorias conduzidas por laboratórios não são confiáveis. Para a ONG, o único resultado aceitável é a substituição do eCG por uma alternativa sintética.

Na Suíça, após o escândalo das fazendas de sangue, o uso de eCG por produtores de suínos diminuiu em 80%. Os criadores substituíram a substância por uma combinação de duas moléculas sintéticas, ambas disponíveis na França.

 
O tempo de conexão expirou.