Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Macron adia reformas polêmicas e é comparado a ex-presidente Hollande

media O presidente Emmanuel Macron está adiando várias reformas e prejudicando sua cota de popularidade. Ludovic Marin/Pool via Reuters/File Photo

O presidente francês, Emmanuel Macron, tem deixado para depois várias reformas. O adiamento do “plano de combate à pobreza” para daqui alguns meses se juntou a outros dossiês sobre os quais o líder centrista ainda não quer bater o martelo. Para muitos, a espera pode levar à incompreensão.

Organização do Islã na França, leis bioéticas, plano de economia orçamentária ou ainda a Saúde. Todas essas reformas foram adiadas por Macron. Para muitos analistas do país, esse é um sinal de fraqueza política. O adiamento do “plano de combate à pobreza” para o segundo semestre deste ano parece ser a gota d’agua.

Na quarta-feira (4), o chefe de Estado foi acusado de ter mudado o calendário de lançamento por causa da Copa do Mundo da Rússia. Isso porque a ministra das Solidariedades, Agnès Buzyn, declarou esperar a disponibilidade de Macron, que prometeu ir à Rússia caso os “Bleus” cheguem a semi-final, para dar andamento no plano. O Palácio do Eliseu se apressou em declarar que o adiamento do projeto nada tem a ver com a competição da FIFA e que respeita o prazo legal para que todos os argumentos sejam debatidos antes do anúncio em setembro.

Holande e Sarkozy

Para Yves Thréard, editorialista do jornal Le Figaro, Macron parece ter se tornado uma espécie de síntese dos dois últimos presidentes da França. “François Hollande foi muito criticado por sua incapacidade de tomar decisões, ele era um grande procrastinador, que deixa tudo pra depois. Já Nicolas Sarkozy foi criticado por sua impetuosidade, sua tendência em querer lançar todas as reformas de uma só vez. Como Sarkozy, Macron também parece ter a vontade de fazer tudo simultaneamente. Mas, como Hollande, também tem tendência de adiar cada vez mais projetos anunciados. Isso pode acabar levando a uma política ilegível aos olhos da opinião pública”, afirmou Thréard.

Para o jornal Les Echos, a incompreensão gerada pelo chefe de Estado se reflete nas últimas pesquisas de popularidade. A porcentagem de franceses que confiam na política do presidente passou, em menos de um mês, de 40% à 34%. O número de pessoas que não confiam em Macron chegou a 60%, progredindo de cinco pontos no mesmo período. “É um mês de recordes para Emmanuel Macron. Sua popularidade atingiu o nível mais baixo desde o começo de seu mandato e o mal-estar entre as categorias sócio profissionais e os territórios nunca foi tão forte”, declarou Bernard Sananès, presidente do instituto de pesquisa Elabe.

Já o jornal Le Monde lembra que, de fato, qualquer anúncio feito pelo governo poderia passar despercebido durante esta Copa do Mundo. Mas a imagem de “presidente dos ricos” fica mais forte a cada vez que Macron deixa os assuntos sociais para mais tarde.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.