Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 13/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 13/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 13/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Neta de Le Pen abre escola para formar políticos de extrema-direita

media Marion Maréchal, neta de Jean Marie Le Pen, vai dirigir uma escola para formar políticos de extrema-direita. JEFF PACHOUD / AFP

O jornal Le Figaro, de linha editorial conservadora, dá chamada de primeira página nesta sexta-feira (22) para a inauguração de uma nova escola de administração, batizada Instituto de Ciências Sociais Econômicas e Políticas (Issep), em Lyon (sudeste). O estabelecimento privado, de nível superior, será dirigido pela neta do líder histórico da extrema-direita francesa, Jean Marie Le Pen.

Marion Maréchal, afastada da vida pública há dois anos, sobrinha de Marine e neta de Jean Marie, decidiu criar uma escola para formar políticos ultraconservadores do futuro. Um local onde os franceses de direita radicais, incluindo populistas xenófobos, poderão se expressar livremente, expandir sua bagagem intelectual, discutir estratégias e políticas de governo e, principalmente, articular um discurso ideológico estruturado e coerente, capaz de atrair um número maior de simpatizantes decepcionados com a direita tradicional.

Le Figaro não tem dúvida que a escola será uma alavanca para o retorno da jovem ex-deputada ao cenário político, embora Marion não assuma objetivos para as próximas eleições francesas, em 2022.

A neta do fundador da Frente Nacional (FN) é muito popular entre os militantes de extrema-direita, mais do que a tia Marine Le Pen, brigada com o pai, que preferiu formar a neta para ser sua herdeira política. Marion tem um futuro político promissor num contexto de divisões do partido conservador Os Republicanos, reduzido a frangalhos, assim como a esquerda socialista, depois do fenômeno Macron.

Na região metropolitana de Lyon, Marion conta com uma sólida rede de simpatizantes e políticos da Frente Nacional posicionados em cargos municipais e regionais. A cidade, de perfil eleitoral progressista, votou em Emmanuel Macron em 2017, mas também abriga um núcleo de eleitores conservadores católicos, tradicionalistas, com potencial de crescimento. É nesse nicho que Marion aposta.

A nova escola de administração Issep não é a única no gênero no país. Desde 2004, Paris conta com o Instituto de Formação Política (IFP), destinado ao fortalecimento intelectual de simpatizantes de todas as sensibilidades da direita: liberal, conservadora, monarquista e identitária. Em 1990, o monarquista Philippe de Villiers criou o Instituto Católico de Vendée (Ices), também voltado às ciências humanas e sociais.

Em julho próximo, será a vez dos macronistas abrirem as portas do Instituto de Formação da República em Marcha, o partido do presidente de centro liberal. A França, definitivamente, aposta no debate político de base ideológica sólida e bem definida.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.