Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Vítima do ataque em Paris era "um garoto generoso"

media Policiais no local do atentado em 12/05/18 REUTERS/Reuters TV

Vizinhos de Ronan, 29 anos, ferido mortalmente em um ataque terrorista neste sábado (12), na capital francesa, falam com tristeza do jovem que perdeu a vida quando passeava na rua Monsigny, perto da Ópera de Paris.

Ele estava no lugar errado, na hora errada. Ronan foi esfaqueado por Khamzat Azimov, 20 anos, porque foi a primeira pessoa que cruzou o caminho do jovem jihadista que decidiu agir “em nome do grupo Estado Islâmico" e saiu ferindo pedestres em pleno centro de Paris. Poucas informações sobre Ronan vieram à tona até agora. Na edição desta segunda-feira (14), o jornal francês Le Parisien publicou uma entrevista com os vizinhos de andar do jovem, “um amigo”, segundo eles.

Ronan morava no quinto andar de um prédio no 5° distrito da capital, no bairro de Gobelins. Pierre e Makiko, seus vizinhos de porta, questionam com incredulidade o repórter, que os informa da morte do jovem. “Ele está morto? Você tem certeza? Makiko chora e Pierre, 61 anos, tenta consolá-la, descreve a reportagem do Le Parisien. Ele conta que Ronan era um empresário nascido em Mans, em Sarthe, região oeste da França. Não era um simples vizinho de andar, “mas um amigo”. Mesmo desconhecendo os detalhes da vida pessoal de Ronan, Pierre o descreve como um solitário.

Juntos, eles cuidaram de um outro vizinho, que tinha um câncer de pulmão, até a morte. Durante meses, Ronan e Pierre fizeram as compras para ele e o ajudaram no dia a dia. Quando esse vizinho, Michel, foi hospitalizado, Ronan e Pierre iam visitá-lo com frequência. Até o dia em que ele faleceu, em outubro de 2015. “Foi neste momento que tentamos entrar em contato com seus filhos, que ele não via mais.” No final, foram os dois que organizaram seu enterro. “Ronan dava seu tempo e energia”, descreve o vizinho ao jornal francês.

Makiko, por sua vez, uma japonesa radicada na França, está em estado de choque. Diz não se sentir mais em segurança. “A morte de Ronan atinge nossa vida pessoal.” Ainda sem acreditar na má notícia, diante do repórter, o casal tenta ligar, sem sucesso, para o celular de Ronan. O jovem francês foi o único a sucumbir aos ferimentos. Todos os outros feridos no ataque estão fora de perigo.

Amigo de jihadista continua detido

Nesta segunda-feira (14), o amigo do autor do atentado, Khamzat Azimov, detido para interrogatório neste domingo (13) em sua casa em Estrasburgo, foi transferido para a região parisiense. De origem chechena, o jovem, nascido em 1997, era o melhor amigo do autor de Azimov, estudou com ele na mesma escola e é suspeito de cumplicidade.

Há cerca de ano, o jihadista mudou-se para Paris com a mãe e a irmã, para morar em um pequeno estúdio, em um hotel onde também morava, separadamente, seu pai, conta o Le Parisien. O gerente o descreve como um jovem discreto “que falava bem francês”, fazia compras com a mãe e às vezes levava a irmã para a escola. Segundo informações que vazaram do inquérito, ele começou a frequentar grupos ligados ao Islã radical em Estrasburgo.

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.