Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Guiana francesa se divide em debate público sobre projeto de mineração

media O presidente Emmanuel Macron durante uma conferência de imprensa na Guiana ALAIN JOCARD / AFP

Na Guiana francesa, um projeto de mineração chamado de “Montanha d’Ouro” divide a população. Situado na parte oeste da região, ele pode causar o desmatamento de 800 hectares de floresta amazônica. O debate público deve tratar desse assunto até o dia 7 de julho, tendo na pauta a necessidade de criação de novos empregos e os impactos no meio ambiente.

A associação Or de Question, que faz oposição ao projeto, tenta convencer os habitantes através de manifestações e panfletos, mas a tarefa não é fácil diante da promessa de 750 novos empregos. Na Guiana, o desemprego entre os jovens beira os 40%, situação agravada pela crise migratória. 

Segundo os especialistas do Instituto Nacional de Estatísticas e de Estudos Econômicos (INEEE), a “Guiana é o território francês que mais recebeu ondas migratórias. Ao oferecer acesso à educação, à saúde e à estabilidade política, a Guiana é um território atrativo por seu meio ambiente, sobretudo para os migrantes do Suriname, do Brasil e do Haiti”. 

O “Montanha d’Ouro” propõe a extração de 85 toneladas de ouro num período de doze anos, o equivalente a sete toneladas por ano. Se aprovado, 900 pessoas devem ser contratadas para o período de preparação das infraestruturas, de 2019 a 2021. Durante a fase de exploração, de 2022 a 2033, 750 poderiam encontrar um emprego na companhia.

Os militantes que são contra o projeto se dizem, entretanto, preocupados com o fato de que a mina se situaria perto de duas reservas biológicas integrais, onde qualquer exploração vegetal é proibida. Segundo a ONG WWF, o projeto equivaleria a 2.161 terrenos de futebol em termos de desmatamento.

Cabo de guerra

O argumento de que a Guiana deveria estar investindo no turismo verde não agrada à prefeitura da cidade de Roura. “Há dez anos, nos prometeram empregos na área sustentável com Centro Europeu da Biodiversidade no lugar de um outro projeto. Dez anos depois: zero trabalho. Hoje, querem nos contar a mesma história”, afirmou o prefeito de Roura.

Em Paris, o Ministro do meio ambiente Nicolas Hulot declarou que não é favorável ao projeto de mineração, que ele qualificou de “puramente especulativo”. “Eu já dei minha opinião, mas os guianeses têm tantas dificuldades que são eles que devem tomar a decisão”.

Já o presidente Emmanuel Macron deu todo seu apoio ao projeto “que, em seus fundamentos, pode ser bom para a Guiana. Desejo que a Guiana consiga se sair bem com suas próprias qualidades e não estou aqui para impedi-la”, declarou o presidente da República em uma visita à região.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.