Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 21/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 21/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 21/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/01 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 20/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 20/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Bilionário francês é detido por suspeita de corrupção na África

media O magnata francês Vicent Bolloré, presidente do Grupo Bolloré, durante encontro de acionistas em Paris, em 19 de abril de 2018. REUTERS/Charles Platiau/File Photo

O magnata francês Vincent Bolloré foi detido nesta terça-feira (24) sob suspeita de corrupção na aquisição de concessões portuárias na África, segundo fontes próximas à investigação. Diretores do Grupo Bolloré, suspeitos de envolvimento no caso, também foram presos provisoriamente em Nanterre, na região parisiense.

O bilionário Vincent Bolloré, de 66 anos, que comanda o Grupo Bolloré, uma multinacional dedicada ao transporte, logística, comunicação e publicidade, foi detido provisoriamente no âmbito de uma investigação anticorrupção sobre a obtenção da administração de portos em Lomé (Togo) e Conakry (Guiné), segundo explicaram as fontes, que pediram anonimato, confirmando uma informação que havia sido publicada no jornal Le Monde.

Conhecido na França pela atuação agressiva no ambiente de negócios, o empresário bretão dá nome ao “método Bolloré”: uma maneira de entrar discretamente no capital aberto de empresas e, pouco a pouco, se tornar acionário principal, exigindo postos no conselho diretor e dominando a estratégia da concorrência.

Os investigadores suspeitam que o Grupo Bolloré tenha utilizado sua filial de comunicação e publicidade, Havas, para fornecer serviços subfaturados de assessoria a dirigentes africanos com o objetivo de obter, em troca, concessões para atuar em portos, informou o jornal francês.

Em um comunicado, o grupo francês negou formalmente qualquer irregularidade em suas atividades na África. "Os serviços relativos aos pagamentos foram realizados de forma transparente", indicou o documento.

A notícia da detenção de Vincent Bolloré provocou uma queda de 5% da ação do grupo na Bolsa de Paris. Em abril de 2016, as autoridades francesas realizaram uma operação de busca no edifício da empresa em Puteaux, subúrbio de Paris, sede do grupo Bolloré Africa Logistics.

Presença importante na África

O grupo controlado pela família Bolloré desempenha um papel de peso na África, onde opera em 46 países, gerenciando 16 terminais de contêineres e três concessões de portos, empregando cerca de 25 mil pessoas.

Menos divulgado que outras atividades do império Bolloré, como seu grupo de comunicação, a divisão de transporte e logística contabilizou um volume de negócios de cerca de € 2,4 bilhões no continente, apenas no ano passado.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.