Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ataque na Síria “não foi um ato de guerra” contra Assad, diz Macron

media O presidente francês Emmanuel Macron (centro) durante entrevista em Paris. Francois Guillot/Pool via Reuters

O presidente francês Emmanuel Macron deu uma longa entrevista na noite deste domingo (15) ao canal de televisão BFM, à rádio RMC e ao site Mediapart. Além de abordar questões da política interna, o chefe de Estado respondeu às críticas dos jornalistas sobre a ofensiva ocidental conjunta lançada pela França, Estados Unidos e Reino Unido.

Em um cenário instalado no Teatro Chaillot, em Paris, com a Torre Eiffel ao fundo, o presidente francês foi sabatinado pelos jornalistas Jean-Jacques Bourdin (BFMTV et RMC) et Edwy Plenel (Mediapart). A entrevista já estava prevista bem antes dos ataques lançados contra o território sírio, na noite de sexta-feira (15). No entanto, a ofensiva, que visava interromper o suposto uso de armas químicas pelo regime de Damasco, se convidou ao debate e abriu o programa.

“A operação foi perfeitamente conduzida, como poucos países são capazes de fazer”, declarou Macron, que fala de um “sucesso do ponto de vista militar”. Ao ser questionado sobre o uso de armas químicas pelo regime sírio contra população, presidente insistiu que a França possui as provas de que a utilização dessas armas "poderia ser atribuída ao regime sírio". 

Em seguida, ao ser acusado de tentar, com a operação, desempenhar o papel “a polícia do mundo”, substituindo os organismos multilaterais, como as Nações Unidas, o presidente francês rebateu energicamente. Ele frisou que a ofensiva foi realizada “junto com a comunidade internacional” e que a população não deve esquecer que trata-se de uma guerra contra ao grupo Estado Islâmico. “Lembro que eles atacaram nosso país”, martelou Macron, em alusão aos atos terroristas perpetrados na França. “Nós temos a plena legitimidade da comunidade internacional para lançar essa operação”.

Um dos jornalistas perguntou ao presidente francês se era possível manter a paz, mesmo tendo protagonizado um ato de guerra. “Vocês me viram declarar guerra a Assad? Não é um ato de guerra”, rebateu Macron.

Poder não pode ficar nas mãos de Assad

“Mas não podemos deixar o poder na Síria ficar concentrado apenas nas mãos de Assad”, ponderou o chefe de Estado. “Nós preparamos hoje uma solução política para uma transição na Síria”, indicou o presidente francês, lembrando que a ofensiva foi lançada “para que o direito internacional não seja esquecido”.

O presidente francês também explicou seu papel durante as negociações sobre a operação. Segundo ele, a França convenceu o norte-americano Donald Trump “que os ataques deveriam se limitar às armas químicas”. Macron também disse ter incitado o chefe da Casa Branca a “continuar na Síria”, mesmo Washington havia declarado recentemente que pretendia tirar suas tropas do país.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.