Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Políticos franceses se mostram divididos sobre decisão de Macron de atacar a Síria

media O líder do partido França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon (à direita), criticou a decisão de Macron (à esquerda) de bombardear alvos militares da Síria. REUTERS/Christian Hartmann

A retaliação dos Estados Unidos, da França e do Reino Unido ao regime sírio, com bombardeios efetuados contra três locais de desenvolvimento, produção e estocagem de armas químicas, na província de Homs e nos arredores de Damasco, divide a classe política francesa.

O ex-presidente socialista François Hollande, que defendeu em 2013 uma intervenção contra o ditador sírio, Bashar Al-Assad, mas foi contrariado por uma desistência de última hora de Barack Obama, então na chefia da Casa Branca, considera que a intervenção ocidental deste sábado (14) foi justificada, mas deve ser acompanhada de maior pressão diplomática e política sobre a Rússia e o Irã", aliados de Damasco.

O secretário-geral do Partido Socialista, Olivier Faure, também manifestou apoio à decisão do presidente Emmanuel Macron. "O silêncio das nações ante os ataques químicos repetidos do regime sírio abria caminho a uma  jurisprudência criminosa quanto à possibilidade de violar as convenções internacionais" e isso foi revertido. O socialista defende negociações para solucionar o conflito sírio no âmbito da ONU.  

À direita, as opiniões divergem. O presidente da bancada do partido conservador Os Republicanos no Senado, Bruno Retailleau, teme que a demonstração de força pontual da França alimente o terrorismo. Já o presidente da região Hauts-de-France, Xavier Bertrand, ex-ministro do governo Sarkozy, considerou "justa" a retaliação da França, saudando de passagem "o profissionalismo das Forças Armadas francesas".

O centrista Jean-Christophe Lagarde destacou que "há muito tempo o regime sírio vem ignorando as decisões do Conselho de Segurança da ONU e o direito internacional". "É uma honra a França ter a ocasião de mostrar que está à altura de seu papel histórico e ter tomado essa iniciativa", declarou Lagarde.

Extremos condenam Macron

A condenação à decisão de Macron vem dos extremos do espectro político. O líder da esquerda radical francesa, Jean-Luc Mélenchon, considerou os bombardeios "graves e irresponsáveis". Ele defendeu "um recuo" e o "retorno à calma" na Síria. "É um dia ruim. É hora de voltar à calma e a única coisa que importa é realizar uma conferência internacional na qual todos participem, incluindo os curdos", disse Mélenchon. "Conto com a frieza dos russos para manter as coisas assim", continuou ele, enfatizando "o extremo perigo" de continuar a escalada militar.

Na rede social Twitter, a líder de extrema-direita Marine Le Pen, da Frente Nacional, criticou a intervenção. "Esses ataques à Síria nos levam a um caminho de consequências imprevisíveis e potencialmente dramáticas". "A França perde a ocasião de figurar na cena internacional como uma potência independente e equilibrada no mundo", afirmou Le Pen.

Banalização de armas químicas

Poucas horas depois do ataque coordenado com americanos e britânicos, o presidente francês declarou que Paris e seus aliados não podiam mais "tolerar a banalização do uso de armas químicas". Macron afirmou que "os fatos e a responsabilidade do regime sírio não deixam a menor dúvida sobre a morte de dezenas de homens, mulheres e crianças por armas químicas, no dia 7 de abril, em Duma".

"A linha vermelha fixada pela França em maio de 2017 foi ultrapassada. Assim, eu ordenei às forças francesas para intervir [...] contra o arsenal químico clandestino do regime sírio", ressaltou Macron.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.