Ouvir Baixar Podcast
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 11/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 11/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 11/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 11/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

François Hollande acusa Emmanuel Macron de aumentar as desigualdades na França

media François Hollande não poupa acusações a Emmanuel Macron em seu livro, lançado em 11 de abril de 2018 Bas CZERWINSKI / ANP / AFP

O ex-presidente francês François Hollande volta ao debate político com o lançamento nesta quarta-feira (11) de um livro intitulado "As lições do poder", no qual acusa as reformas de seu sucessor, Emmanuel Macron, de "aumentarem a desigualdade" na França.     

Neste livro de 400 páginas, o ex-chefe de estado faz um balanço de seu mandato presidencial, que durou de 2012 a 2017, e aproveita para “espetar” Emmanuel Macron, opinando sobre vários eventos atuais.    

Hollande ataca mais uma vez a política fiscal de Macron. "Meu governo reduziu a desigualdade. Este a aumenta”, disse o ex-presidente socialista, que já vinha criticando Macron por exigir sacrifícios inúteis dos franceses e pela reforma do imposto sobre a fortuna.

Em entrevista ao canal de televisão France 2, na noite desta terça-feira, véspera do lançamento do livro, Hollande explicitou suas críticas ao seu sucessor e à sua política social. "Por que ele pediu um esforço aos aposentados, se sentimos que há uma diminuição de impostos para aqueles que são muito ricos? Ele faz uma aposta equivocada. Não existirá crescimento durável, com coesão e paz, se houver esse aumento de desigualdades", disse.

Decretos demais

Outras acusações contra o atual presidente são o uso indiscriminado de decretos, a marginalização dos sindicatos em pequenas empresas, "deixando os funcionários sozinhos frente a seus empregadores", a abolição da Secretaria de Estado das Vítimas e a definição de um status para a primeira-dama.    

Em uma mensagem subliminar, ele acusa Macron, seu ex-assessor e ministro das Finanças, de tê-lo traído nas sombras: "Eu sempre admiti a competição política, mas acho que ela deve ser aberta e honesta, e vamos encarar isso, não foi esse o caso”, escreveu Hollande.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.