Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Novo dia de greve paralisa até 75% dos trens na França

media Ferroviários em greve na estação de trem de Marselha, no sul da França. REUTERS/Jean-Paul Pelissier

Novo dia de greve perturba trafego ferroviário na França neste domingo (8). Este é o terceiro dia da paralisação contra a reforma da rede ferroviária francesa, a SNCF, iniciada na semana passada. O governo diz que não vai recuar, as negociações estão num impasse e o movimento deve se prolongar.

A adesão à greve hoje é um pouco menor do que nos primeiros dias: 35% dos funcionários da empresa cruzam os braços hoje, contra 48% na terça (3) e quarta-feira (4) da semana passada. Apenas 25% dos trens de alta velocidade (TGV) ou regionais e cerca de 30% dos trens suburbanos circulam.

A paralisação dura 48 horas e continua nesta segunda-feira (9), quando o número de grevistas e, consequentemente, de cancelamentos de trens pode ser maior. A SNCF anuncia no final desta tarde a previsão para o trafego ferroviário de amanhã, tentando informar com antecedência os passageiros e evitar grandes transtornos.

Greve escalonada

Essa greve é uma greve escalonada. Os ferroviários param dois dias a cada cinco dias e a categoria promete manter o movimento até junho.

Em entrevista publicada neste domingo, o primeiro-ministro Edouard Philippe disse que vários pontos da reforma não são negociáveis, como a abertura à concorrência e fim de privilégios trabalhistas da categoria, por exemplo. O governo garante que o futuro da empresa, que acumula dívidas de € 46 bilhões, cerca de R$ 200 bilhões, não pode ser garantido sem a reforma.

Os sindicatos acusam o governo de querer privatizar a SNCF. A última rodada de negociações na sexta terminou em impasse e os ferroviários ameaçam manter o movimento além do mês de junho.

Reforma tem apoio dos franceses

A maioria dos franceses apoia o governo. Pesquisa de opinião divulgada hoje indica que 62% da população deseja que reforma proposta pelo presidente Emmanuel Macron seja concretizada, apesar da greve.

Esse não é o único movimento no setor de transportes na França e a semana se anuncia complicada para os passageiros que desejam viajar nesse período de férias escolares. Os funcionários da Air France também fazem uma greve escalonada por melhores salários. Eles voltam a cruzar os braços na terça (10) e quarta-feira (11). A paralisação dos ferroviários será retomada logo depois, na sexta-feira (13) e no sábado (14).

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.