Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Controle antidrogas na fronteira detona crise diplomática entre França e Itália

media Agentes da polícia francesa durante operação na estação de trem de Bardonecchia, na fronteira da Itália com a França. Piero CRUCIATTI / AFP

Um controle antidrogas visando migrantes, realizado pela polícia francesa no território italiano, desencadeou uma crise diplomática entre os dois países. Roma acusa Paris de ter violado sua fronteira.

O imbróglio começou na sexta-feira (30), quando guardas da brigada ferroviária da alfândega francesa realizavam uma operação de busca no trajeto do trem-bala entre Paris e Milão. Cinco oficiais entraram em um dos escritórios da ONG Rainbow for Africa, na pequena estação de esqui de Bardonecchia, e submeteram um migrante nigeriano, suspeito de tráfico de drogas, a um teste de urina.

Segundo a polícia francesa, os migrantes nigerianos teriam a reputação de serem usados como “mulas”, ingerindo sacos de cocaína para atravessar a fronteira transportando drogas ilegalmente. Os testes de urina, apontados como um dos métodos para desvendar o crime, são previstos pela lei.

Mas a violência da operação, com oficiais armados e usando coletes à prova de balas, dentro de uma ONG humanitária, foi denunciada pelos voluntários da entidade e a Justiça foi acionada. A procuradoria de Turin decidiu abrir uma investigação e as autoridades italianas falam de “abuso de poder” e “invasão de domicílio”. Paris afirma que a operação foi totalmente legal, mas o ministério italiano das Relações Exteriores considerou a ação um “ato grave, totalmente fora do âmbito da colaboração entre os Estados fronteiriços”.

França diz que não vai se desculpar

Mesmo se Paris nega ter cometido qualquer erro, o ministro francês das Contas Públicas, Gérald Darmanin, encarregado de questões ligadas às aduanas, anunciou que vai à Itália nos próximos dias para “se explicar” com Roma. Porém, a França afirma “não ter feito nada de ilegal” e que não pretende “se desculpar”, já que o caso ocorreu em um local protegido por um acordo franco-italiano de 1990. Os controles franceses do lado italiano da fronteira foram suspensos até segunda ordem.

O episódio ocorre em um momento delicado na Itália, que sai de uma campanha eleitoral ritmada pela questão da crise migratória, instrumentalizada pelos partidos antissistema. Prova disso, desde sábado (31), os responsáveis políticos e a imprensa italiana repercutem o caso. O jornal La Stampa afirma que “os franceses violaram as fronteiras da Itália”, enquanto Il Resto del Carlino traz em sua capa uma foto do presidente francês Emmanuel Macron com a manchete “Invasor”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.