Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Uso inadequado de remédios provoca mais de 10 mil mortes por ano na França

Uso inadequado de remédios provoca mais de 10 mil mortes por ano na França
 
Uso inadequado de remédios provoca mais de 10 mil mortes por ano na França Divulgação EmpresasDivulgação LEEM/Michel Hasson

A utilização incorreta de medicamentos causa mais de 130 mil hospitalizações no país, segundo dados divulgados em março pelo LEEM, coletivo francês que reúne médicos, farmacêuticos, laboratórios, empresas ligadas à saúde e representantes da indústria farmacêutica.

Os números preocupam o governo francês e foram tema de um seminário organizado no final de março entre o coletivo, que também lançou um guia para a população, e a ministra da Saúde Agnès Buzyn, que considera a questão um problema de saúde pública. Os pacientes franceses mais afetados pelo uso inadequado dos remédios são os idosos entre 75 e 84 anos: eles tomam cerca de quatro comprimidos por dia e têm diversas patologias.

O médico francês Eric Baseilhac, diretor do LEEM, explica que há anos os profissionais da área tentam reverter essa situação. Entre 2015 e 2018, o coletivo criou um programa de ação que foi apresentado à ministra francesa durante um colóquio em Paris, em 22 de março. No encontro, foram detalhadas as dez metas para diminuir os casos fatais e hospitalizações decorrentes do uso incorreto dos remédios.

Uma delas é uma campanha para sensibilizar a população, que visa estimular o contato mais próximo entre o paciente e o médico. Erros de administração, na dosagem e na interação das substâncias podem provocar um fenômeno conhecido como iatrogenia: trata-se de doenças ou complicações resultantes do tratamento médico.

“O remédio não mata nem hospitaliza. Poder tomar remédio é uma sorte para os pacientes. O mau uso do medicamento, por outro lado, pode trazer consequências negativas. Sabemos que, na metade dos casos, os acidentes com as substâncias, fatais ou não, poderiam ter sido evitados”, diz Baseilhac.

Segundo ele, as interações medicamentosas são um dos principais problemas observados. “Se receitamos, por exemplo, um remédio que dá sono ou afeta a consciência, e ele é receitado para uma pessoa idosa, que toma anticoagulantes, há risco de queda e hemorragias que são potencialmente graves”, explica.

Os pacientes que usam várias moléculas também podem confundir os nomes dos remédios ou se esquecer de tomar os comprimidos. Por isso os profissionais da saúde também esperam que as embalagens sejam modificadas para que os pacientes possam identificá-las mais facilmente. Além disso, ele considera que a colaboração entre os profissionais de saúde é essencial, melhorando a relação entre o clínico-geral e o farmacêutico, por exemplo.

Uma das ideias é criar um programa de troca de mensagens instantâneas entre o médico da família e o farmacêutico, para que eventuais dúvidas sobre a receita e a posologia possam ser esclarecidas. Outra medida importante é possibilitar o acesso da farmácia ao dossiê digital do paciente, que terá o histórico de consultas e uso de medicamentos. A França, diz Baseilhac, está dando início à formatação desse tipo de dossiê, e está atrasada em relação a outros países europeus. “A colaboração é essencial”, afirma.

França é campeã de uso (e mau uso) de ansiolíticos

Uma das preocupações da ministra francesa Agnès Buzyn, que é médica, é o abuso de medicamentos vendidos sem receita. As substâncias têm concentrações cada vez mais fortes disponíveis no mercado, se tornando potencialmente mais tóxicas. Fazem parte desse grupo anti-inflamatórios como o ibuprofeno ou a aspirina. A França também é um dos países europeus que mais utiliza antibióticos e ansiolíticos, o que Buzyn considera um “triste recorde”.

“Em nível europeu, o consumo de medicamentos diminuiu na França em relação à média europeia, exceto em relação a duas categorias de remédios. Uma delas é a benzodiazepina, usada contra a angústia, muito prescrita para pessoas idosas, e que pode provocar quedas, desmaios e perda de memória, com efeitos muito negativos”. Para o médico francês, a prescrição excessiva dos ansiolíticos pode ser cultural. “É uma questão complexa, dizem que os franceses são menos animados do que outros povos. Não sei! Talvez seja o nosso lado resmungão que nos faz afirmar isso.”

Os franceses também usam cinco vezes mais antibióticos, em volume, do que seus vizinhos europeus. Um perigo para o paciente e para a população, já que uso excessivo de medicamentos como a amoxicilina, por exemplo, pode gerar uma resistência das bactérias obrigando os médicos a prescreverem moléculas mais poderosas.

Novas tecnologias a serviço do paciente

Os objetos conectados, explica o diretor francês da LEEM, também poderão, no futuro, ajudar pacientes e médicos a monitorarem o tratamento e o uso dos medicamentos de maneira mais adequada. Para discutir essas questões, o coletivo pretende propor à ministra da Saúde que, a partir de 2019, 22 de março se transforme no Dia “do uso correto do medicamento”.

Ao mesmo tempo, um Congresso Mundial sobre o tema será lançado na França, que deverá reunir médicos, farmacêuticos e enfermeiras, para falar de inovação e dos benefícios que ela pode trazer para controlar essa situação. “Esta será a ocasião para discutir o uso de ferramentas digitais, objetos conectados que vão ajudar o paciente a utilizar corretamente os remédios”.


Sobre o mesmo assunto

  • Tráfico

    Interpol apreende em uma semana 10 milhões de remédios piratas

    Saiba mais

  • Campanha RFI

    Remédios falsos, vendidos online, matam cerca de 800 mil pessoas por ano

    Saiba mais

  • França/Aduana

    França faz apreensão recorde de 13 toneladas de remédios falsos

    Saiba mais

  • Imprensa

    Guia francês lista remédios à venda na França e no Brasil que seriam perigosos à saúde

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.