Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/03 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/03 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/03 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/03 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/03 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/03 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/03 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Ciclone pode ter matado mais de mil pessoas, afirma presidente de Moçambique
França

Facebook faz mea culpa em censura de quadro de Delacroix

media Facebook reconhece erro por censurar os seios nus da tela "A Liberdade guiando o povo". Museu do Louvre. PHILIPPE HUGUEN / AFP

Facebook admitiu neste domingo (18) ter cometido um erro ao censurar um anúncio publicitário que exibia a tela "A Liberdade guiando o povo", do francês Eugène Delacroix, em que uma mulher aparece com seios nus segurando a bandeira da França.

A obra-prima do século 19 foi exibida em uma campanha online de uma peça apresentada em Paris. Ela foi censurada pela rede social esta semana, informou o diretor da peça, Jocelyn Fiorina. "Quinze minutos depois do lançamento da publicidade, o Facebook bloqueou nossa divulgação assegurando que não se podia publicar uma imagem de nudez", explicou Fiorina, diretor de "Tiros na rua Saint-Roch", que estreou na capital francesa.

Após essa resposta, Fiorina publicou um novo anúncio com o mesmo quadro, acrescentando uma faixa com a mensagem "censurado pelo Facebook" cobrindo os seios da mulher. A segunda imagem não foi censurada. O diretor contou que em junho tentou utilizar duas vezes o célebre quadro - que esteve durante anos nas notas de 100 francos - para promover, sem sucesso, a peça na rede social.

"Naquele momento contatei os moderadores, que se mostraram inflexíveis e asseguraram que, mesmo em um quadro do século 19, a nudez não era aceitável", lembra. Mas neste domingo, a gigante americana das mídias sociais mudou de opinião e se desculpou "por seu erro".

Verificação de posts pode induzir a erros, diz executiva

"A obra 'Liberdade guiando o povo' certamente tem lugar no Facebook. Informamos imediatamente ao usuário que sua publicidade patrocinada está aprovada de agora em diante", reagiu a gerente do Facebook em Paris, Elodie Larcis, em um comunicado."A fim de proteger a integridade do nosso serviço, nós verificamos milhões de imagens de publicidade por semana e, às vezes, cometemos erros", explicou. Com mais de 2 bilhões de usuários no mundo, o Facebook frequentemente é criticado pelo conteúdo que autoriza ou não.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.