Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

A Mona Lisa deve ou não viajar? É a grande questão do Aujourd’hui en France.

media Mona Lisa: peça do Louvre não viaja há mais de 40 anos. Photographs by User:Sailko/ wikipédia

A ideia, já contestada por muitos, é da ministra da Cultura, Françoise Nyssen, que diz estar estudando seriamente a possibilidade de emprestar a Mona Lisa a outros museus franceses. A obra de Leonardo Da Vinci, exposta no museu do Louvre, tem mais de quinhentos anos e é, com certeza, a mais famosa pintura do mundo. A tela pesa pouco mais de três quilos, mas é considerada por muitos especialistas como intransportável devido à sua fragilidade.

A França é um país centralizado, no qual Paris domina o cenário político, econômico e cultural. Por isso, a ministra da Cultura quer que a tela de Da Vinci vença essa barreira, e possa ser vista em regiões onde há menos oferta de cultura.

Segundo Françoise Nyssen, a Mona Lisa “é mais famosa do que o cantor Johnny Hallyday. Ela é um símbolo nacional, que deve quebrar tabus, enviando um sinal claro aos franceses do interior. Uma mensagem que lhes diga que eles não foram esquecidos”.

A pintura de Da Vinci, também conhecida como a Gioconda, tem uma longa história. Pintada em 1503, ela chegou à França durante o reinado de Francisco Primeiro. Quatrocentos anos mais tarde, ela foi roubada do museu do Louvre, e a polícia francesa só a reencontrou dois anos depois, em 1913.

Chantagem soviética

Meio século ainda se passaria antes que a Mona Lisa pudesse fazer a sua primeira viagem internacional, para ser exibida em Nova York. Dez anos depois, foi a vez do Japão receber a Gioconda. Mas aí, houve um problema...

No voo de volta à Paris, a Rússia não autorizou que o avião sobrevoasse o seu espaço aéreo, se não fizesse uma escala em Moscou para apresentar a Mona Lisa aos camaradas soviéticos.

Desde então, há quarenta e quatro anos, a tela mais famosa do mundo não deixa o museu do Louvre, em Paris, onde é visitada diariamente por milhares de pessoas, que se acotovelam para fazer selfies ao lado do meio-sorriso mais famoso do mundo.

Mas por que a Mona Lisa não poderia mais viajar?

Segundo os técnicos em restauração de obras de arte que trabalham no Louvre, a Mona Lisa foi pintada numa tela de madeira. A tela tem uma fissura na parte posterior que pode aumentar, causando danos irreparáveis à obra. Por isso, a Mona Lisa é examinada todos os anos, e jamais muda de posição, mesmo no museu do Louvre.

A única solução, segundo os técnicos, seria a construção de uma caixa especial, que protegesse a pintura da humidade, da temperatura e da vibração do transporte. Uma caixa que custaria uma fortuna, e para qual o ministério da Cultura procura agora um mecenas.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.