Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Greve cancela metade dos voos longos da Air France nesta 5ª feira

media Maioria dos voos de curta e média distância da Air France estarão mantidos, mas os longos serão mais afetados. Reuters/Philippe Wojazer

A companhia aérea Air France prevê o cancelamento de metade dos voos de longa distância com decolagem de Paris na quinta-feira (22), como consequência de uma greve de funcionários, que exigem um aumento salarial.

A empresa confirma a decolagem de 75% do total de voos previstos para o dia, com um percentual de grevistas calculado em 28% dos empregados. Mas em relação aos trajetos de longa distância, como as partidas que vão para o Brasil, a companhia só terá condições de operar "50% dos voos com saída de Paris".

A Air France informou que vai manter 75% dos voos de média distância com decolagem do principal aeroporto parisiense, Roissy-Charles de Gaulle. A empresa prometeu fazer o possível para "limitar as perturbações" e informar nesta quarta-feira (21) todos os passageiros que tiverem voos atingidos.

A companhia pede para os clientes verificarem sobre a situação no site da Air France, antes de se deslocarem até o aeroporto. Aqueles que preferirem adiar a viagem, até o dia 27 de fevereiro, poderão fazer a troca sem custos adicionais.

Sete anos sem aumento

A greve foi convocada por vários sindicatos. A direção propôs às entidades um acordo que prevê um aumento geral dos salários - o primeiro desde 2011 - de 1%, e uma alta de 1,4% para os funcionários de terra.

Os sindicatos não aceitaram a proposta, que consideram insuficiente e "não compensa o aumento do custo de vida nem os salários congelados desde 2011". Eles exigem um aumento geral dos salários de 6%, com base na alta de 42% do lucro operacional em 2017, que chega a € 1,488 bilhão.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.