Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Conheça Matthieu Doat, o “francês do samba”, que lança em Paris novo projeto musical entre França e Brasil

Conheça Matthieu Doat, o “francês do samba”, que lança em Paris novo projeto musical entre França e Brasil
 
Matthieu Doat, o "francês do samba". RFI/Márcia Bechara

Ele é fisioterapeuta de formação, mas no ano 2000 decidiu fazer uma longa viagem de um ano ao Brasil. Lá, em plena boemia do bairro da Lapa, descobriu o samba e o cavaquinho-banjo, instrumento pelo qual se apaixonou. De volta à Paris, circulou por rodas de samba e foi aluno do brasileiro Fernando Cavaco, para se aprimorar. Hoje, Doat compõe sambas em francês e português. O RFI Convida nesta quarta-feira (21) Matthieu Doat, o “francês do samba” que lança em março seu projeto, “Samba sem Fronteiras”.

*Clique na foto acima para ouvir a entrevista na íntegra com Matthieu Doat

“Samba sem Fronteiras”, de Matthieu Doat, já conta com nomes de peso brasileiros como Zeca Pagodinho e Arlindo Cruz, que gravaram versões de suas canções junto com Doat, especialmente para o projeto. “Este projeto começou na Lapa, no Rio de Janeiro, um bairro genuinamente sambista. Estava andando na rua com meu irmão e escutamos o som de um surdo numa roda de samba. Entrei e me apaixonei por esse clima, essa alegria, a forma que as pessoas compartilhavam essa alegria, cantando juntos, achei isso o máximo”, conta.

O compartilhamento de uma raiz cultural comum seduziu o sambista francês. “Vi que havia uma raiz popular de música. As pessoas conheciam a maioria das músicas e cantavam junto. Era tudo misturado, pessoas da Zona Sul, da Zona Norte, do subúrbio, todo mundo junto cantando as mesmas músicas como se essa raiz popular oferecesse uma oportunidade para se reunir, ficar junto e alegre”, diz Doat.

“Voltando para Paris depois desse encontro com o samba, queria muito tocar um instrumento. Comecei a estudar as percussões, entrei numa escola de samba aqui em Paris, chamada Aquarela, mas a percussão fazia muito barulho, meus vizinhos ficavam chateados. Então, como eu queria muito cantar também, comecei a ter aulas de harmonia e comecei a estudar o cavaquinho, que é um instrumento pequeno, tinha trazido um do Brasil. Comecei a estudar como autodidata”, conta o músico.

O primeiro videoclipe de Matthieu Doat, “Sincronicidade”, bateu a marca de meio milhão de visualizações no YouTube, antes do lançamento oficial.


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil- América Latina

    Conheça a argentina que faz sucesso no berço do samba carioca

    Saiba mais

  • Cultura

    Carnaval 2018: o samba cai de boca na política em pleno ano eleitoral

    Saiba mais

  • Brasil- América Latina

    Escola de samba argentina se inspira no Carnaval carioca

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Documentário brasileiro mostra elos entre jazz e samba

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.