Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

13% de jovens franceses não se consideram “homem nem mulher”, diz pesquisa

media Sinalização de banheiro de "gênero neutro" no Fórum Econômico Mundial, em Davos, em 26 de janeiro de 2018. REUTERS/Denis Balibouse

Nem homens nem mulheres. Segundo uma pesquisa realizada pelo instituto OpinionWay, cerca de 13% dos franceses entre 18 e 30 anos não se sentem identificados nem ao gênero masculino, nem ao feminino, segundo o jornal francês 20 Minutes.

No caso da população francesa em geral, de todas as faixas etárias reunidas, o contingente de pessoas que não se considera homem ou mulher desce para 6%, segundo pesquisa deste ano efetuada pelo governo francês. “Isto não tem nada a ver com orientação sexual (homossexual, bissexual ou heterossexual) ou com mudança cirúrgica de sexo”, explica o periódico. “Estas pessoas colocam em causa a dimensão fixa e binária do gênero: ou elas são nômades do gênero, ou preferem não explicitar seu gênero”, resume Arnaud Alessandrin, sociólogo especializado em gênero e discriminações da Universidade de Bordeaux, entrevistado pelo 20 Minutes.

A dinâmica de identidade apresenta diversas variantes, segundo o jornal. “Alguns se identificam como sem gênero (8%, na pesquisa Opinion Way), outros preferem o termo gender fluid (11%). Mas o conceito de não-binário parece ser o mais adequado, atingindo 36% do público jovem entrevistado”, afirma o periódico.

Segundo a artista Agathe Rousselle, entrevistada pelo 20 Minutes, o não-binário se traduz no cotidiano a “não fazer escolhas em função de seu gênero”. “Cabelos curtos, rosto andrógino, a artista muda de aparência em função de seu humor, de manhã. ‘Um dia quero vestir jogging’, conta ela, ‘noutro quero por saltos altos’. Já Alex, jornalista, escolheu um nome unissex e exige que utilizem pronomes neutros”, publica o jornal.

Moda, imprensa e cultura

“Vimos emergir esse movimento na moda em 2014”, destaca Karine Espineira, socióloga e membro do Laboratório de estudos do gênero e da sexualidade da Universidade Sorbonne Paris VIII. “Ao mesmo tempo, observamos uma onda do transgênero na imprensa e na cultura. Os dois fenômenos questionam a identidade do gênero encorporada pela geração dos millenials”, analisa.

“Um cara que usa batom vermelho em Paris, tudo bem, mas no interior ele vai apanhar”, afirma Arnaud Alessandrin. “No entanto, graças às redes sociais, os jovens podem ver que outras coisas são possíveis, que um homem possa vestir uma saia ou que uma mulher possa raspar a cabeça. Vimos as coisas evoluírem para a identidade trans, e a questão da identidade não-binária poderá seguir pelo mesmo caminho”, afirma o sociólogo ao jornal.

“Estatisticamente, ser ‘sem gênero’ continua sendo uma experiência muito marginal, mas a luta contra os estereótipos de gênero faz muito sentido junto aos jovens”, continua Alessandrin. Mas não apenas para os jovens. “Segundo uma pesquisa do governo francês, a YouGov, 36% dos franceses acreditam que o Estado deveria reconhecer administrativamente a existência de um ‘outro’ gênero”, finaliza 20 Minutes.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.