Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/04 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/04 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/04 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Projeto de lei sobre imigração divide partido de Macron

media Grupos de imigrantes e refugiados do Irã, Paquistão, Iraque e Eritreia instalados na praça de la République, em Paris; JOEL SAGET / AFP

O presidente francês, Emmanuel Macron, enfrenta uma difícil semana pela frente. O parlamento vai analisar um polêmico projeto de lei que endurece a posição francesa em relação aos imigrantes. Mas antes o gabinete de Macron discute o texto nesta quarta-feira (21).

Até integrantes do próprio partido de Macron, o LREM (A República em Marcha), estão relutantes em apoiar o texto.

O projeto pretende, segundo o governo, reduzir para no máximo seis meses o processo de pedido de asilo, além de facilitar a deportação de imigrantes que tiveram o pedido recusado e melhorar a integração dos que forem aceitos.

Mas há meses o projeto de lei divide inclusive a maioria centrista – composta de personalidades moderadas da direita e da esquerda. As acusações são de que a lei é “repressiva”.

"Normalizar o ato de deter pessoas"

Uma das medidas mais criticadas é o aumento do tempo de detenção administrava de um imigrante em processo de expulsão, que passaria a 90 dias, o dobro do período atual. “Corremos o risco de normalizar o ato de deter pessoas”, declarou Florence Granjus, deputada do partido de Macron.

O governo já teve de abandonar uma proposta controversa que previa a deportação de pessoas para um terceiro país considerado “seguro”.

Como prova de descontentamento, os funcionários da Corte Nacional de Direito ao Asilo (CNDA) e do Escritório Francês de Proteção a Refugiados e Apátridas (Ofpra) anunciaram uma greve na quarta-feira para protestar contra a lei, que os sindicatos avaliam como “uma ruptura inquestionável com a tradição de asilo da França”.

"Estrangeiros demais"

Segundo uma pesquisa recente do instituto BVA, os franceses são em sua maioria a favor do asilo, mas 63% dos entrevistados acham “que há estrangeiros demais na França”.

A imigração foi um dos temais centrais da campanha presidencial de 2017, ano em que a França registrou mais de cem mil pedidos de asilo. Esse número não inclui os imigrantes que chegam por motivos econômicos ou os que tentam chegar ao Reino Unido.  

  

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.