Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Filme do brasileiro Karim Aïnouz ganha prêmio Um Certo Olhar no Festival de Cannes
França

Pesquisadores na França criam cineclube para discutir violência no Brasil

media Cartaz do filme Sem Pena (2014) de Eugenio Puppo, que será exibido nesta sexta-feira (16) em Paris. Reprodução: sempena.com.br

O cine clube Amarildo foi criado por pesquisadores brasileiros com o objetivo de exibir e debater filmes sobre a violência no Brasil para desfazer clichês que os franceses têm sobre o país. A primeira sessão aconteceu em janeiro de 2018, com a projeção de “Notícias de uma Guerra Particular” (1999), de João Moreira Salles e Kátia Lund. O segundo debate acontece nesta sexta-feira (16) com a projeção de “Sem Pena” (2014), de Eugenio Puppo.

Os idealizadores do cineclube integram o projeto franco-brasileiro “Passagens de Fronteiras e Cidades Seguras; Questões Históricas e Contemporâneas”, financiado pela Capes/Cofecub, e estão na França fazendo doutorado ou pós-doutorado. Nos seminários que participam no Centro de Pesquisas Sociológicas sobre o Direito e Instituições Penais perceberam que os colegas franceses tinham pouco conhecimento sobre a produção cinematográfica brasileira relacionada à violência. Essa imagem é dominada por sucessos como Cidade de Deus e Tropa de Elite. Esses longas mostram “uma periferia de filme de ação (…), como espaço simplesmente de violência, de confronto, de guerra. (…) Surgiu um incômodo e surgiu a ideia de fazer o cineclube com as discussões sobre violência nas periferias, crime organizado, tráfico de drogas, mercados ilícitos e a questão carcerária que estão tomando uma dimensão para lá de alarmante no Brasil”, conta o antropólogo Guilherme Mansur.

“As periferias brasileiras são muito mais complexas. O interesse é mostrar um pouco dessa complexidade para fugir de um arcabouço penal, de justiça criminal (…) que enxerga o mundo através de vítimas e bandidos”, explica o pesquisador especialista em migrações.

O grupo formado por cinco brasileiros conseguiu o apoio do Departamento de Ciências Sociais da prestigiosa Escola Normal Superior (ENS) de Paris, e o projeto foi lançado em 26 de janeiro. “Achei interessante apoiar a iniciativa que associa a apresentação de documentários brasileiros e a discussão sobre como trabalhos acadêmicos podem ajudar a entender a atualidade”, diz o professor da ENS e brasilianista Benoît de l’Estoile.

“Cadê o Amarildo?”

O nome do cineclube é revelador das intenções dos organizadores. Para quem não lembra, Amarildo Dias de Souza é o morador da Rocinha que desapareceu em 2013, após ter sido detido pela polícia que atuava na UPP da comunidade. Ele foi torturado até a morte, mas seu corpo nunca foi encontrado. O caso ganhou dimensão nacional com a campanha “cadê Amarildo” e se transformou em um símbolo da luta contra a violência policial no Brasil.

A primeira sessão em janeiro, com a exibição de “Notícias de uma Guerra Particular”, reuniu pouco mais de 20 pessoas, brasileiros e franceses. O debate foi acalourado: “apesar do filme ter quase 20 anos, esse debate ainda é muito atual. Estão matando gente todo o dia. Precisamos falar sobre isso! Por mais que estes conflitos não atinjam a classe média, ela também está implicada. A situação piorou, se transformou e se deslocou (…) Os conflitos urbanos dispararam no Nordeste”, relata a carioca Rosa Vieira, doutoranda em antropologia pela UFRJ.

Situação carcerária

Depois de debater a ação da polícia, a segunda sessão do cineclube Amarildo vai discutir a grave situação carcerária brasileira com a exibição de “Sem Pena”. O documentário de Eugenio Puppo se baseia na realidade de São Paulo, que tem 240 mil presos, isto é, cerca de 1/3 da população carcerária do Brasil. “As duas principais técnicas de controle e violência estatais no Brasil hoje são a polícia e a prisão. Nossas primeiras sessões se concentram nessa violência estatal, uma violência seletivamente direcionada contra a população marginalizada”, analisa o doutorando em sociologia pela USP, Ricardo Campello. A superpopulação criada pela política carcerária no Brasil só “produz mais violência. O que o sistema prisional paulista, por exemplo, conseguiu criar foi uma coisa chamada Primeiro Comando da Capital (PCC)”, adverte o paulista.

Mesmo se a França também prioriza o encarceramento como resposta à violência e tem suas prisões superlotadas, os franceses veem “esse quadro de violência no Brasil como uma violência exótica. Um exercício interessante é ver em que medida esse quadro brasileiro se conecta com o norte global (…) e quais as possíveis relações entre a realidade francesa e a brasileira”, acredita o sociólogo. Rosa Vieira completa ressaltando que “o circuito da droga coloca todos os continentes relacionados”.

Apesar do contexto político complicado e da impressão de que os problemas sociais e a violência voltaram a explodir ultimamente, os pesquisadores brasileiros entrevistados pela RFI lembram que nas periferias brasileiras as coisas nunca estiveram boas.

Ao todo, o cineclube Amarildo planeja cinco exibições de filmes brasileiros até maio deste ano. A próxima sessão, com a projeção de “Sem Pena”, acontece no dia 16 de fevereiro, às 17H, no anfiteatro da Escola Normal Superior, no 48, Boulervard Jourdan. “Branco Sai, Preto Fica” (2014), de Adirley Queirós, e “Batalha do Passinho (2013), de Emílio Domingos, serão exibidos respectivamente em março e abril. O documentário da última sessão em maio, que vai discutir o racismo, ainda não foi definido.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.