Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França vai emprestar à Inglaterra tapeçaria medieval de mais de 900 anos

media Tapeçaria de Bayeaux reconta as conquistas de Guilherme. Museu Bayeux/Stephane Maurice

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou nesta quinta-feira (18) que o Reino Unido vai receber em 2022 a tapeçaria de Bayeaux, joia medieval que sai pela primeira vez da França.

O anúncio foi feito após um encontro bilateral com o presidente francês, Emmanuel Macron, em Sandhurst, na Inglaterra. Os dois líderes assinaram um acordo a respeito de migrantes em Calais, no norte da França, que almejam principalmente chegar ao Reino Unido.

A tapeçaria de Bayeaux é um tesouro frágil e testemunha singular da história franco-inglesa da Idade Média. Bordada há mais de 900 anos, a obra retrata a conquista da Inglaterra por Guilherme, “o conquistador”, duque da Normandia.

Nove painéis de linho de 50cm de largura e quase 70m de comprimento mostram os preparativos da expedição para invadir a Inglaterra e ganhar a batalha de Hastings, em 1066. Um confronto que marca a vitória do normando sobre os ingleses.

A tapeçaria também é um documento de valor inestimável sobre a Inglaterra e a Normandia do século XI, com representações de vestimentas, construções, navios e cenas do cotidiano.

Detalhe da tapeçaria de Bayeux. CC/Wikimedia Commons

Lendas e hipóteses

A lenda diz que ela foi bordada pela rainha Matilde, mulher de Guilherme, mas os historiadores preferem a tese de que a obra foi feita na Cantuária (Canterbury), no sudeste da Inglaterra, por monges. Não existe nenhum documento a respeito de sua produção e nada durante os seus três primeiros séculos de existência.

Falar de tapeçaria não seria o termo exato, pois é mais um trabalho de bordado em linho. Os pesquisadores identificaram dez cores diferentes, produzidas a partir de tintura vegetal e quatro pontos de bordado.

Muitas vezes descrita como uma ferramenta de propaganda normanda destinada à uma população que não sabia ler, ela é hoje conservada em uma espécie de cofre-forte de metal e vidro, protegida de incêndios e da umidade. A tapeçaria atrai a cada ano 400 mil visitantes à cidade de Bayeaux. Ela também é considerada por muitos como uma percursora de histórias em quadrinhos.

Esse empréstimo excepcional só vai acontecer em 2022, por causa de trabalhos de restauração nas peças, mas será um gesto diplomático muito significativo.

Relíquia vai sair pela primeira vez da França. Stephane MAURICE / Ville de Bayeux / AFP

Pedidos negados

A Grã-Bretanha teve dois pedidos anteriores de empréstimo recusados: uma para a coroação da rainha, em 1953, e para o aniversário de 900 anos da batalha de Hastings, em 1966. Existe uma réplica da tapeçaria no museu de Reading, no sudeste da Inglaterra.

A peça viajou pouquíssimas vezes. Em 1804, Napoleão a exibiu em Paris, enquanto planejava uma invasão da Inglaterra. Ela também foi mostrada na capital francesa durante a Segunda Guerra Mundial durante pouco tempo antes de voltar a Bayeaux, no norte do país.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.