Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/04 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/04 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Nasce o terceiro filho do príncipe William, da Inglaterra, e de sua esposa, Kate
França

França vai instalar telefone fixo individual em celas de prisões

media Philippe Godefroy, diretor do centro penitenciário de Montmédy Reprodução Youtube

Um telefone fixo por cela na prisão: a iniciativa sem precedentes do Ministério da Justiça da França tem como objetivo ajudar os detidos a manter um vínculo com os seus entes queridos e também a combater o tráfico de celulares no sistema penitenciário francês.

Os presos poderão ligar para até quatro números autorizados pelo juiz ou pela administração da prisão. O objetivo, explicou o Ministério da Justiça, é ter "um telefone por cela", fora das áreas consideradas “de risco”. Mais de 50.000 células em 178 prisões serão contempladas, de acordo com o jornal Le Monde, que revelou a informação nesta terça-feira (2).

Uma licitação pública, destinada a uma concessão que prevê 10 anos de serviços em linhas telefônicas fixas, foi lançada pelo Ministério da Justiça. O dispositivo [de linhas fixas] vem sendo testado desde julho de 2016 na prisão de Montmédy (na região do Meuse, no norte da França). Um experimento conclusivo, que "ajudou a aliviar as tensões" dentro do estabelecimento, de acordo com as autoridades. "Isso promove a reintegração, mantendo os laços familiares", afirmou a administração penitenciária.

Atualmente, os detidos têm acesso a cabines telefônicas localizadas nos corredores. "Mas a equipe deve acompanhá-los, o que requer tempo e disponibilidade, então é complicado", explicou o porta-voz do Ministério da Justiça da França.

"Às vezes, um preso tem quatro pessoas antes dele para acessar o telefone no corredor. E quando é sua vez, é necessário retornar para a cela. Isso gera tensão", diz Christopher Dorangeville, secretário geral da Penitenciária CGT.

Contra o tráfico de celulares

O dispositivo também visa "reduzir o tráfico de celulares". Em Montmédy, as apreensões de celulares contrabandeados para dentro da prisão diminuíram 31% no primeiro semestre de 2017, em comparação com os primeiros seis meses de 2016, após a instalação das linhas de telefone fixo.

No primeiro semestre de 2017, 19.339 telefones celulares e acessórios foram descobertos nas prisões francesas, que, em 1° de julho do ano passado, acolhiam 70 mil pessoas condenadas ou aguardando julgamento.

De acordo com o Le Monde, o contrato de concessão de linhas telefônicas fixas dentro das prisões deve ser assinado em abril ou maio de 2018, e os primeiros estabelecimentos penitenciários deverão ser equipados antes do final do ano. A empresa escolhida por meio da licitação financiará todo o investimento e será remunerada pelo preço das comunicações, pagas pelos prisioneiros.

Sistema de escutas

"Boas notícias para os detidos", saudou, em um tuíte, o Observatório Internacional da Prisão (OIP), uma ONG francesa que defende os direitos dos prisioneiros.

"Um telefone por cela, ajuda a manter a intimidade ao falar com sua família. Além disso, o fato de poder ligar quando quiser permitirá conversar com seus filhos depois do retorno da escola", explicou François Bes, da OIP.

"O problema é o alto custo das comunicações. Atualmente, a chamada, cobrada por minuto, custa cerca de 80 centavos de euro. Se aplicarmos o desconto de 20% negociado na prisão de Montmédy, chegaremos a cerca de 65 centavos por minuto, o que é muito caro para a maioria dos presos", explica Bes.

Na prisão de Réau, um preso calculou que telefonar alguns minutos por dia para sua família custou-lhe cerca de 150 euros por mês, uma quantia à qual ele não consegue ter acesso na prisão, mesmo quando executa algum trabalho remunerado.

A penitenciária CGT não é " contra a ideia", mas avisa: "É necessário que os números selecionados sejam bem verificados anteriormente, e é necessário um sistema de escuta para verificar que não há troca de informações que prejudiquem a segurança”, disse Christopher Dorangeville.

Jean-François Forget, da Ufap-Unsa Justice, o maior sindicato de guardas prisionais, ficou indignado com o lançamento de uma licitação pública "sem qualquer consulta prévia" aos sindicatos. "Com vários detidos, como vamos gerenciar conflitos de acesso telefônico?", pergunta. Devemos "treinar o pessoal, especialmente para um sistema de escuta".

Fadila Doukhi, do sindicato FO, também está preocupada com a espionagem. "Não temos equipe suficiente em matéria de vigilância", disse ela, depois de observar a experiência de Montmédy, que descreve como "uma calamidade".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.