Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/04 15h06 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/04 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Total: francesa do pré-sal será julgada por corrupção

media Total, julgada em caso de corrupção no Irã. RFI

O processo contra a gigante petroleira francesa Total por "corrupção de agentes públicos estrangeiros", no caso de contratos fechados no Irã nos anos 1990, será julgado em outubro de 2018, decidiu nesta sexta-feira (15) o tribunal correcional de Paris.

O julgamento acontecerá nos dias 11, 12, 18 e 19 e outubro de 2018. A investigação trata de pouco mais de US$ 30 milhões que teriam sido pagos a partir de outubro de 2000, à margem de dois contratos da Total relacionados ao Irã na década de 1990, contra um embargo dos Estados Unidos.

O contrato principal, avaliado em US$ 2 bilhões, foi concluído em 28 de setembro de 1997, com a petroleira nacional iraniana NIOC e diz respeito à exploração - por uma joint-venture que reúne a Total, a russa Gazprom e a malásia Petronas - de uma parte do campo de gás de South Pars, fora do Irã, no golfo Pérsico. Washington tinha ameaçado sancionar as petroleiras pelos investimentos.

Segundo contrato

O segundo contrato avaliado foi concluído em 14 de julho de 1998 entre a Total e a Baston Limited, fazendo referência a um acordo fechado dois anos antes para a exploração de campos petrolíferos iranianos de Sirri A e E, também no golfo Pérsico.

A defesa da Total considera que a realização deste julgamento é problemática porque o grupo, sujeito a acusações nos Estados Unidos por esses contratos, aceitou um acordo que encerrou o processo. Perante a Justiça francesa, seus advogados devem, portanto, invocar a regra de "non bis in idem" - ninguém pode ser processado ou punido várias vezes pela mesma coisa.

(Com agência AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.