Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Luka Modric é eleito melhor jogador de 2018 pela Fifa
França

Sebastião Salgado vira imortal das artes na França

media Sebastião Salgado durante discurso na Academia de Belas Artes da França, em Paris (6/12/17) Daniella Franco/RFI

O fotógrafo franco-brasileiro Sebastião Salgado foi empossado nesta quarta-feira (6), como o mais novo integrante da Academia de Belas Artes da França, em cerimônia oficial com direito a fardão, espada e muita pompa.

“Estar aqui, neste local emblemático da cultura francesa, é para mim uma grande emoção. Nasci no Brasil. Tenho orgulho de minha origem. Eu as reivindico”, disse o fotógrafo em seu discurso de agradecimento na capela da Escola Nacional Superior de Belas Artes, à beira do rio Sena, em presença de outros acadêmicos, amigos e personalidades do mundo cultural francês.

Dois amores

“Mas eu sou brasileiro e francês. Tenho duas nacionalidades. Minha mulher Lélia e eu temos dois países, dois amores. A França que nos acolheu e está em nossos corações. E isso quero lhes dizer hoje com intensidade e respeito”, declarou.

“A França é muito importante para mim. Passei mais tempo aqui do que no Brasil, que é minha origem, minha raiz. A composição dessas duas nações fez o que sou hoje”, disse Salgado com exclusividade à RFI Brasil.

Sobre o reconhecimento, ele disse ser um “enorme privilégio fazer parte dessa concentração de mais de 200 anos de cultura francesa”.

Lágrimas de fotógrafo

Antes de subir ao palanque, Salgado ouviu a apresentação de outro acadêmico fotógrafo e amigo, o francês Yann Arthus-Bertrand – que ao contrário do brasileiro, é conhecido pelas cores abundantes de seu trabalho.

Arthus-Bertrand falou sobre a trajetória de Salgado, que saiu do vale do rio Doce, foi para Vitória estudar, conheceu os movimentos de esquerda e também a mulher de sua vida, Lélia, então com 17 anos, e ele, com 20.

Fotógrafo francês Yann Arthus-Bertrand discursou em homenagem a Sebatião Salgado. Daniella Franco/RFI

Num discurso embalado pela admiração e carinho, o francês emocionou Salgado, que não parava de enxugar as lágrimas. Arthus-Bertrand falou do exílio e das primeiras fotos, feitas para ajudar na tese de Lélia, e que se tornaram uma vocação. Depois vieram as viagens e dois filhos, Juliano, nascido em 1974, e Rodrigo, em 1979, nascido com síndrome de Down. “Como diz Lélia, Rodrigo é a mais bela lição que a vida lhes deu”, citou o fotografo francês.

São apenas quatro fotógrafos que integram o seleto clube que reúne outras áreas artísticas da Academia de Belas Artes, como pintura, escultura, arquitetura, gravura, composição musical e áudiovisual. Salgado foi eleito para substituir Lucien Clergue, morto em 2014, que foi o primeiro fotógrafo a fazer parte da instituição.

Heitor Villa-Lobos

Entre os convidados da cerimônia, estava o embaixador do Brasil na França, Paulo César Oliveira Campos. “É um momento muito especial, é a primeira vez que um brasileiro passa a integrar o Instituto da França”, disse o diplomata à RFI Brasil. “É algo excepcional porque ele é uma pessoa excepcional, ao longo de sua vida, ele fez mais que imagens, ele fez da fotografia uma filosofia de vida e uma forma de passar a mensagem sobre a sua forma de ver o mundo”, acrescentou o embaixador.

A cerimônia foi entremeada por três momentos musicais bem brasileiros e que também deixaram Salgado emocionado: “A Casinha pequenina”, canção tradicional com arranjo de Radamés Gnattali, “Prelúdio n°3 para violão em lá menor” e “Nesta Rua”, de Heitor Villa-Lobos. As intepretações foram da mezzo-soprano Chloé Debacker, Isabelle Vuong no piano e Lindolfo Bicalho no violão.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.