Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ativistas do Greenpeace são detidos na França após disparar fogos em usina nuclear

media Ativistas do Greenpeace invadiram pela primeira vez, na madrugada desta quinta-feira (12), a usina nuclear francesa de Cattenom. Vivien Fossez/Greenpeace/Handout

Oito ativistas do grupo Greenpeace foram detidos após invadirem a central nuclear de Cattenom, no leste da França, na fronteira com Luxemburgo. Eles dispararam fogos de artifício para alertar sobre a vulnerabilidade das instalações nucleares do país a ataques terroristas.

Taíse Parente, em colaboração para a RFI

Na terça-feira (10), um relatório encomendado pela própria Ong havia denunciado as fragilidades no sistema de segurança das centrais francesas, particularmente das piscinas onde os combustíveis usados são armazenados. Situadas em áreas externas, as piscinas de resfriamento não seriam tão bem protegidas quanto os reatores. Segundo especialistas, caso a água evapore, o combustível pode se aquecer e liberar grande parte de sua radiotividade no meio ambiente.

A empresa EDF, responsável pelo parque nuclear francês, afirmou que as centrais do país são bem protegidas e declarou que a invasão, que aconteceu por volta das 5h30 (00h30 no horário de Brasília), foi detectada imediatamente. A empresa também negou que os militantes tenham conseguido chegar a uma área de risco. Para a EDF, não houve impacto sobre a segurança das instalações.

A ação, no entanto, sobressaltou o país vizinho. A ministra do Meio Ambiente de Luxemburgo, Carole Dieschbourg, disse ter ficado extremamente preocupada com o que ela considera serem "lacunas flagrantes" no sistema de segurança.

Apesar de esta ser a primeira vez que militantes da ONG Greenpeace entram na central de Cattenom, o grupo tem usado este tipo de ação para alertar contra a falta de segurança nas instalações nucleares francesas nos últimos 30 anos. Isso, mesmo depois de o Parlamento francês ter aumentado a penalidade para esse tipo de crime em 2015.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.