Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/10 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 20/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/10 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Morre em Paris o ator Jean Rochefort, ícone do cinema francês

media Um dos atores mais populares do cinema francês, Jean Rochefort, faleceu na madrugada desta segunda-feira (9) REUTERS/Benoit Tessier/File Photo

Jean Rochefort, um dos atores mais populares do cinema francês, morreu na madrugada desta segunda-feira (9) em Paris, aos 87 anos, segundo informou sua filha, Clémence.

O ator Jean Rochefort, ícone do cinema francês, havia sido hospitalizado em agosto e morreu em uma clínica de Paris. Encarnação do gentleman francês, e dono de uma voz rouca, de timbre único, o astro incarnou uma multiplicidade de personagens, do cínico libertino de "Que la fête commence", de Bertrand Tavernier (“Que a festa comece”, em tradução livre), ao fleumático valete inglês de "Les tribulations d'un chinois en Chine" de Philippe de Broca ("Fabulosas Aventuras de um Playboy", no Brasil), inspirado no original de Júlio Verne.

O artista trabalhou em cerca de 150 filmes, entre eles "Caindo no Ridículo" (1996) e "Astérix e Obélix: a serviço de sua Majestade" (2012). Após atuar sob a direção de Fernando Trueba em "O Artista e sua Modelo" (2012), obra inspirada no escultor Aristide Maillol, Rochefort afirmou que deixaria o cinema, mas antes filmou, com Philippe Le Guay, "Floride" (2015).

Durante sua carreira, Jean Rochefort conquistou três prêmios César, a maior recompensa do cinema francês, por "Que la fête commence", de 1975 e "Le Crabe-Tambour", de 1978, além de um César honorário em 1999.

“Uma hecatombe de estrelas”

Para a atriz Brigitte Bardot, uma das primeiras a reagir após a notícia da morte de Jean Rochefort, com ele “apagam-se uma hecatombe de estrelas”. “É toda uma geração que desaparece junto com ele”, disse Bardot. “Jean Rochefort foi uma brilhante representante de sua geração, elegante, dândi, um lorde, com humor e fantasia, além disso um grande apaixonado por cavalos e um apoio incondicional de meu combate contra a hipofagia (o hábito de comer carne de cavalo) ”, pontuou a diva francesa.

Nascido em 29 de abril de 1930 em Paris, numa família de classe média-alta, Jean Rochefort desenvolveu sua paixão pelo teatro escutando peças radiofônicas e alcançou o sucesso ao lado de nomes também icônicos dos tablados franceses como Delphine Seyrig e Claude Régy. Avesso à badalação, Rochefort era um apaixonado por cavalos, fora dos holofotes, e possuía um haras na região parisiense, onde viveu até completar 80 anos, uma sugestão de seu psiquiatra após um diagnóstico de depressão. “Saí com 30 anos de Paris, e voltei com 80”, brincava o ator, conhecido por abordar temas sérios junto a eventuais brincadeiras.

Sobre a morte, Jean Rochefort disse durante uma entrevista ao francês Journal du Dimanche, em 2015, que “a sentia se aproximar”. “Em alguns momentos, fico contente que ela chegue. O corpo pede, às vezes a cabeça também. Mas não gostaria de ver os outros sofrendo”, declarou Rochefort durante uma entrevista no lançamento de seu último filme, “Floride”, onde fez o papel de um senhor de 80 anos, doente de Alzheimer.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.