Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 23/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 23/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 23/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 23/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 23/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 23/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Militares patrulham ilha francesa davastada por furacão para evitar saques

media Militares franceses patrulham a ilha devastada de St. Martin. REUTERS/Christophe Ena/Pool

Uma semana após a passagem do furacão Irma pelas Antilhas Francesas, no Caribe, militares franceses enviados da metrópole iniciaram as patrulhas para evitar saques e outros atos de delinquência em São Bartolomeu e principalmente na parte francesa de St. Martin.  

Pierre Olivier, enviado especial a St. Martin

Apesar dos esforços das autoridades, da defesa civil e da própria população para tentar restabelecer um ritmo de vida normal em St. Martin, alguns bairros da ilha continuam com as ruas cobertas de entulho, sem água potável e com problemas no fornecimento de energia elétrica. Os geradores têm ajudado, mas durante a madrugada a ilha mergulha na escuridão.

O toque de recolher para evitar a onda de saques registrada após a passagem do furacão, que destruiu 95% das construções, foi prolongado até 21 de setembro. Entre 19h e 7h, ninguém pode sair à rua. Em meio à tragédia, vândalos atacaram durante vários dias lojas e supermercados, invadiram as casas abandonadas ou destruídas pelos ventos, para roubar tudo o que havia restado de aproveitável. Por isso, os estoques de água e de comida baixaram rapidamente, acrescentando um problema aos desabrigados.

É como se a ilha ainda estivesse em coma, gravemente ferida, relata o enviado especial da RFI, Pierre Olivier. Coqueiros sem folhas deitados nas estradas, carros amontoados uns sobre os outros, casas pulverizadas pela tempestade, pequenos aviões virados na pista do aeroporto de St. Martin, nenhuma zona da ilha resistiu à fúria de Irma, conta o repórter.  

Nas ruas de Marigot, a principal cidade da parte francesa de St. Martin, são soldados do batalhão de paraquedismo de Carcassone que patrulham as ruas para garantir a segurança. Os militares armados, que esperavam encontrar uma população abatida, dizem estar surpresos com a coragem dos moradores de St. Martin. "Eles já passaram à ação e a principal preocupação agora é remover todo o rastro de destruição deixado por Irma", conta um tenente.

Depois de visitar as ilhas durante dois dias, o presidente Emmanuel Macron prometeu "uma reconstrução exemplar".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.