Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Governo francês abre debate sobre fertilização in vitro para lésbicas e solteiras

media Lei francesa pretende abrir a fertilização in vitro aos casais de lésbicas e às mulheres solteiras. Pixabay

O governo francês vai propor a autorização da fertilização in vitro para todas as mulheres. A medida abriria o dispositivo para as solteiras e os casais de lésbicas do país, excluídas até então do acesso às técnicas de reprodução assistida.

O anúncio foi feito pela secretária de Estado responsável pela Igualdade entre homens e mulheres, Marlène Schiappa. Ela lembra que essa era uma das promessas de campanha do presidente francês, Emmanuel Macron, e que faz parte da revisão da lei de bioética que deve entrar em vigor em 2018.

Atualmente na França as técnicas médicas que possibilitam a gravidez (fertilização in vitro ou doação de esperma) são reservadas aos casais heterossexuais. Para Schiappa, essa restrição representa “uma forma de discriminação das lésbicas e das solteiras”.

Diante da impossibilidade de praticar a fertilização in vitro no território francês, várias mulheres recorrem aos países vizinhos, como a Bélgica, onde a prática é autorizada. Para a secretária de Estado, essa “desigualdade” tem que acabar.

O tema vem sendo debatido desde a eleição de Macron, e no mês de junho uma comissão nacional de ética já havia dado um parecer favorável à abertura das técnicas de reprodução a todas as mulheres. A ministra francesa da Saúde, Agnès Buzyn, também validou o projeto.

Porém, as associações de defesa dos homossexuais temem que o projeto ainda encontre resistência, principalmente após a mobilização contrária ao casamento gay no país. Durante o debate em 2013, um dos pontos mais criticados pelas franjas mais conservadoras da sociedade era o acesso à paternidade e à maternidade para gays e lésbicas.

As chamadas “barrigas de aluguel” são proibidas na França.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.