Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Incêndios atingem dois mil hectares na Córsega e podem ter origem criminosa

media Bombeiros lutam contra incêndios na Córsega, em 11 de agosto de 2017. acebook/Florianne Amblard via REUTERS

Mais de dois mil hectares de vegetação foram atingidos e quase mil pessoas estão desalojadas: os bombeiros continuaram a lutar neste sábado (12) contra dois focos de incêndios no departamento francês da Córsega. Um homem foi colocado sob custódia pela polícia, suspeito de ter provocado focos de incêndio em Bastia.

"Um homem, acusado de ter causado cinco focos de incêndio em Bastia na sexta-feira (11), foi preso em torno de 1h da manhã (hora local)", declarou o prefeito do departamento francês, Gérard Gavory. A ilha da Córsega é atormentada nas últimas 24 horas por grandes incêndios no Cabo Córsega e em Balagna. Os bombeiros trabalham para extinguir novos incêndios neste sábado (12) em Bastia, alguns próximos de edifícios residenciais.

Em Cabo Córsega, onde se espalhou o primeiro foco de incêndio na noite de quinta para sexta-feira em Nonza (no oeste da ilha), o fogo se encontra agora "estabilizado" na região litorânea, mas continua "ativo no município de Sisco", declarou Gavory, indicando que cerca de quase dois mil hectares de vegetação foram atingidos pelo fogo.

Dada a progressão das chamas na área, muitos turistas deixaram seus parques de camping ou suas casas. "Por volta de 6h da manhã (hora local, 1h da manhã em Brasília), começamos a retirar todos os campistas, pois eles não fiquem intoxicados pela fumaça que chega ao acampamento", declarou na sexta-feira Véronica Guelfi, gerente do camping A Casaiola, a cinco km de Pietracorbara.

“Chamas em toda parte”

"Havia grandes chamas em toda parte. A 1,2 mil metros de altitude, tudo se inflamou", lamentou à agência AFP Bernard Weber, um turista de 60 anos originário da Alsácia, no nordeste da França. O turista, que passou a noite ao ar livre, descreveu uma "visão impressionante".

No total, cerca de mil pessoas - 500 no camping de Pietracorbara, 202 habitantes de aldeias e 180 turistas de outro acampamento em Sisco, além de dezenas de turistas que realizavam trilhas na rota turística GR20 - tiveram que ser retiradas e levadas para escolas, conventos e abrigos. Eles deverão voltar para suas acomodações durante o dia, dependendo da progressão do controle aos incêndios.

Na sexta-feira, as autoridades tinham alertado os moradores da Córsega para uma maior vigilância, destacando o risco de incêndios na ilha e na região do Var, causado por uma severa seca e ventos fortes. Desde meados de julho, o sudeste da França e a Córsega vêm sofrendo com incêndios que destruíram mais de 7 mil hectares de vegetação. Várias pessoas foram indiciadas nas últimas semanas durante a investigação dos focos de fogo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.