Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/08 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 13/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 13/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ataque a militares reabre debate sobre eficácia de operação Sentinela na França

media Militares da operação Sentinela patrulham região da torre Eiffel, em Paris. ©Ludovic MARIN / AFP

Os principais jornais franceses desta quinta-feira (10) reabrem o debate sobre a operação Sentinela, instalada na França após os atentados terroristas de janeiro de 2015. A questão volta à tona após o atropelamento de um grupo de militares na quarta-feira (9) em Levallois-Perret, na região parisiense, o sexto ataque contra soldados franceses desta operação em apenas dois anos.

"Os Sentinelas viraram alvo", publica o jornal Aujourd'hui en France em sua manchete de capa. O diário lembra que cerca de sete mil militares trabalham desde 2015 ao lado das forças de ordem para garantir a segurança civil. "Mas em um momento em que o exército francês é fortemente solicitado em terras estrangeiras, a mobilização de milhares mulheres e homens para uma missão com efeitos essencialmente psicológicos suscita cada vez mais interrogações", escreve.

Aujourd'hui en France entrevista um capitão que resolveu deixar o exército em protesto contra a operação Sentinela. "Foi a gota d'água", diz o militar ao jornal. Segundo ele, falta ajustar o discurso do Estado aos meios que são engajados para que os soldados do dispositivo cumpram suas missões. "Quando somos tomados como alvo, os políticos nos visitam no hospital, mas, 48 horas depois, ninguém diz mais nada. É deprimente", desabafa o capitão.

"Operação deveria ser temporária", diz Libération

"A operação militar Sentinela no centro das críticas", diz a manchete da matéria publicada sobre o assunto no jornal Libération. O dispositivo instaurado em 2015 e que deveria ser temporário continua até hoje, publica o diário. O texto ressalta que, quando informados que a operação perduraria, uma onda de demissões foi registrada nas Forças Armadas francesas.

A alta hierarquia militar reconhece o problema. Em entrevista ao Libé, um general francês explica que quando os militares se alistam, eles esperam ser enviados a missões fora do país e, segundo ele, não a estações de trem da capital francesa. Por isso, ele defende que os objetivos da operação sejam revisados.

O governo francês já anunciou que o dispositivo deve ser modificado a partir de setembro, mas segundo a ministra das Forças Armadas, Florence Parly, "os Sentinelas continuarão trabalhando enquanto forem considerados úteis na proteção dos franceses".

Militares são alvos privilegiados dos terroristas

"Militares e policiais: alvos privilegiados dos jihadistas", diz a manchete de capa do jornal Le Figaro. Para o diário, "mais uma vez, os símbolos da República foram visados" no ataque da quarta-feira. Mas, segundo o jornal, esse não é o momento de baixar a guarda.

De acordo com Le Figaro, a França se comprometeu a realizar uma longa guerra contra os jihadistas, que continuarão colocando o país no alvo do terror até que sejam vencidos. Por isso, segundo o diário, nenhuma restrição deve ser tolerada, seja no reforço do arsenal jurídico, seja no orçamento das Forças Armadas e da polícia francesa. "O perigo continua em todo o lugar", conclui.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.