Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/10 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/10 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Homem suspeito de atropelar militares na França é baleado e preso

media Carro BMW do suspeito baleado pela polícia ao tentar fugir, em 9 de agosto de 2017 Reuters TV

O suspeito de atropelar intencionalmente um grupo de militares com um carro BMW, na manhã desta quarta-feira (9), foi baleado e preso pela polícia algumas horas depois do ataque em Levallois-Perret, na região Île-de-France, que deixou seis feridos leves.

O atropelamento aconteceu às 8h em Paris, 3h da manhã em Brasília. O homem que conduzia o carro fugiu,e no começo da tarde o veículo foi interceptado pela polícia na estrada A6, em direção de Calais, no norte da França. O motorista tentou fugir e acabou sendo baleado diversas vezes.

O detido, um argelino de 37 anos, é provavelmente o autor do ataque, "pois estava a bordo do veículo procurado e tentou fugir", afirmou uma fonte judiciária, que confirmou que os policiais atiraram várias vezes. Atingido, o motorista foi transportado para um hospital.

Em um comunicado, a ministra das Forças Armadas, Florence Parly, falou de "um ato covarde e intencional".

"Um barulho enorme"

Um habitante de um prédio próximo ao local do ataque declarou à imprensa ter, em primeiro lugar, "ouvido um barulho enorme", antes de ver dois homens caídos no chão, rodeados por outros militares. Logo eles foram colocados em posição lateral de segurança, como se faz ao se prestar os primeiros socorros. Os seis militares passam bem.

O presidente Emmanuel Macron tuitou seu apoio aos oficiais.

Desde janeiro de 2015, a França é alvo de uma onda de atentados jihadistas que já deixaram 239 mortos. Os mais recentes visam principalmente policiais e militares, em áreas turísticas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.