Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Justiça condena à prisão francês que abrigou migrantes ilegais

media Herrou: "Daqui a trinta anos, aqueles que hoje me condemam serão, por sua vez, condenados". AFP

Nesta terça-feira (8) o agricultor Cédric Herrou foi condenado em segunda instância a 4 meses de prisão por haver acolhido 200 migrantes na sua propriedade, no Sul da França. Declarando não se arrepender de nada, Herrou avisou que vai recorrer à Corte de Cassação.

Cédric Herrou, 37 anos, já havia sido condenado em primeira instância a pagar uma multa de € 3 mil (cerca de R$ 11 mil) por ter ajudado migrantes a cruzarem a fronteira entra a Itália e a França, dando-lhes abrigo em sua fazenda no vale de la Roya, a 60 quilômetros de Nice, na costa mediterrânea da França.

No julgamento de segunda instância, em Aix-en-Provence, o juiz confirmou a primeira sentença, aumentando-a com uma pena de 4 meses de prisão e uma outra multa de € 1 mil pela invasão de um terreno da SNCF (empresa pública de transporte ferroviário da França), onde Herrou abrigou cerca de 50 migrantes da Eritreia.

A corte considerou que o gesto de Herrou se enquadra numa ação de militância para retirar migrantes ilegais do controle das autoridades. Por isso, ele não pôde contar com o atenuante de ter agido por “causas humanitárias”.

“Não me arrependo”

“Eu direi a todas as famílias que eu ajudei que eu não me arrependo de nada. Fiz tudo com muito prazer”, declarou Herrou na saída do tribunal, perante dezenas de pessoas que foram lhe dar apoio.

“Seria melhor que eles tivessem me metido na prisão, pois eu pretendo continuar a minha luta”, disse Herrou, avisando que vai recorrer à Corte de Cassação (a terceira e última instância da justiça francesa), antes de cumprir a pena em liberdade, como determinou o juiz.

A história os julgará

E para quem dúvida que o fazendeiro possa continuar se arriscando pela acolhida dos migrantes, vale lembrar que no dia 24 de julho, já respondendo ao primeiro processo, Herrou foi detido pela polícia quando, na estação de trem de Cannes, pretendia levar 156 imigrantes para se registrarem em Marselha. Foi a sexta vez que Herrou foi detido nos últimos 12 meses, sendo, novamente, indiciado por ajudar migrantes ilegais.

O prefeito da cidade de Nice, Christian Estrosi, do partido de direita os Republicanos, comemorou a condenação de Cédric Herrou pelo Twitter: “as provocações do senhor Herrou foram, finalmente, reconhecidas pelo que elas são: ações ilegais”.

“O que mais me irrita não é a minha condenação, mas perceber que a França está perdendo os seus valores mais fundamentais”, declarou Herrou antes de deixar o tribunal. “Daqui a 30 anos, aqueles que hoje me condenam serão, por sua vez, condenados”, completou.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.