Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Ambiente agradável e muitas algas: piscinas da bacia da Villette abrem em Paris

media O repórter Augusto Pinheiro experimentou a piscina natural de La Villette e constatou a presença de algas Orlando Torricelli/RFI

Um ambiente agradável, um tempo ensolarado e... muitas algas! As três piscinas criadas na Bacia de La Villette, no norte de Paris, abriram na segunda-feira (17) e atraíram um grande público de franceses e turistas. A reportagem da RFI esteve nesta terça-feira (18) no local e experimentou a piscina mais profunda, de 2 metros. Há uma intermediária, de 1,20 m, e uma para as crianças, de 40 cm.

Com o sol brilhando foi fácil e convidativo entrar na água, que é um pouco fria, mas agradável a uma temperatura externa de 32°C. Nas primeiras braçadas, sente-se o contato com as algas, mas não é uma sensação incômoda. Pelo contrário, dá a impressão de estar em um local selvagem, sem interferência do homem. A vista aberta à bacia, alimentada pelo canal do Ourcq, torna a experiência ainda mais satisfatória.

Ao redor da piscina, há decks para se bronzear ou ler um livro, como fazia o professor francês Erwan Bomstein, 40. “É uma das primeiras piscinas que dá uma verdadeira perspectiva sobre a cidade”, disse em entrevista à RFI Brasil.

O professor Erwan Bomstein aproveitou para ler um livro Augusto Pinheiro/RFI

Sobre as algas, ele diz que “o primeiro contato é um pouco estranho, mas nos acostumamos”. “Elas fazem parte da natureza de um rio, então é como se nos banhássemos em um lugar natural.”

Ele visitava o local pela segunda vez. “Vim à abertura, mas foi curto, porque abriu às 15h, então decidi voltar hoje para aproveitar mais. São minhas férias antes das férias fora de Paris, é um aperitivo.”

O casal Valentine e Thibaut Moraldi, ambos de 27 anos, curtiam o sol sentados em uma toalha no deck. “É maravilhoso poder se banhar assim no canal”, opina Valentine. “É refrescante. Faltava em Paris um lugar para nadar assim. Já faz vários anos que há o Paris Plage, com areia e vaporizadores, mas não havia locais para se banhar. Agora é a praia de verdade”, completa Thibaut.

Limite de 500 pessoas

Patrick Bayle, coordenador das instalações, disse que “no primeiro dia houve um grande número de frequentadores". "Foi o teste. Temos um limite de número de usuários de 500 pessoas ao mesmo tempo nas instalações. Ontem abrimos às 15h e às 16h já havia 500 pessoas."

O casal Valentine e Thibaut Moraldi aprovou o espaço Augusto Pinheiro/RFI

Quando se atinge o limite de visitantes, o acesso é fechado. “Temos um sistema  que permite também contar as pessoas que saem. À medida que os frequentadores vão saindo, autorizamos as entradas.”

Ele também disse à RFI Brasil que as instalações contam sempre com seis salva-vidas ao mesmo tempo, além de seguranças que realizam controles na entrada e patrulham a área.

Além das três piscinas, o espaço conta com solarium com cadeiras de praia e puffs, banheiros, chuveiros e cabines para trocar a roupa. O horário é das 11h às 21h, todos os dias, até 15 de setembro, com entrada gratuita. A prefeitura realiza testes durante todo o dia para garantir a pureza da água.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.