Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França: para juristas, emendas contra terrorismo ferem liberdades individuais

media Nesta terça-feira, 18 de julho, às 15 horas, o Senado começa a análise do projeto de reforço da segurança interna e da luta contra o terrorismo. @facebook.com/senat.fr

O Senado francês inicia nesta terça-feira (18) a análise das emendas do novo projeto de lei criado para reforçar a luta contra o terrorismo.

O objetivo é garantir a segurança interna adaptando a legislação francesa ao fim do estado de emergência, previsto para novembro de 2017.O estado de emergência está em vigor na França desde os atentados de 15 de novembro de 2015, e autoriza a polícia a adotar medidas proibidas por lei, em casos de ameaça terrorista.

O novo projeto integra ao direito comum as prisões domiciliares e a proibição, para alguns réus acusados de participarem de redes terroristas, de entrarem em contato com determinadas pessoas. As medidas também autorizam o uso do bracelete eletrônico e preveem que mandados de busca e apreensão poderão ser autorizados pela Secretaria de Segurança, mas com aval de um juiz federal.

Segurança e liberdades individuais

O texto já foi modificado e inclui medidas menos coercitivas, mas vários parlamentares de esquerda e associações defendem que as propostas colocam em risco as liberdades individuais. Para a Liga dos Direitos Humanos, a França pode entrar em um regime de exceção “ a longo prazo”.

Mais de 500 pesquisadores e universitários também assinaram uma petição denunciando uma “regressão do Estado de Direito”, que juristas estão qualificando de “despotismo suave”. De acordo com a Comissão de Leis do Senado, o projeto foi modificado para garantir um “equilíbrio entre a proteção de ordem pública e direitos individuais garantidos pela Constituição”.

O relator da comissão, o ex-ministro da Justiça Michel Mercier, também tomou a precaução de limitar o tempo de aplicação das disposições, que serão válidas até dezembro de 2021.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.