Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

França quer acabar com fabricação de carros a gasolina e a diesel até 2040

media O ministro da Transição Ecológica e Solidária, Nicolas Hulot, ao apresentar programa da França para o clima na quinta-feira (6). REUTERS/Charles Platiau

O programa da França para o clima, apresentado pelo ministro francês da Transição Ecológica e Solidária, Nicolas Hulot, estampa as capas dos principais jornais franceses desta sexta-feira (7). Um elemento particular agita a imprensa: o fim da produção e venda de carros a gasolina e a diesel até 2040.

"Esse objetivo, que o ministro da Transição Ecológica e Solidária classifica como 'verdadeira revolução', mesmo que outros países já o tenham estabelecido para 2030, figurava no programa de Emmanuel Macron. Mas, sobretudo, ele não apresentou medidas concretas sobre como chegar até lá", observa o jornal Libération.

O objetivo do plano de Hulot, apresentado na quinta-feira (6), é principalmente colocar em prática o engajamento da França no Acordo de Paris Sobre o Clima. Libération lembra que as ações para a redução de emissão de gases poluentes ainda não cumprem o que foi estabelecido no compromisso.

Abandonar a gasolina e o diesel é realista?

"O fim da gasolina e do diesel: Hulot é realista?", questiona o jornal Le Figaro em sua manchete de capa. O diário lembra que, entre as soluções para acelerar as medidas propostas pelo ministro, está uma ajuda aos franceses de baixa renda para abandonar os veículos movidos a gasolina que datam de antes de 1997, e a diesel, fabricados antes de 2001.

A mudança de filosofia dentro das próprias montadoras pode ajudar o governo francês a atingir seus objetivos, considera Le Figaro. Nesta semana, a construtora Volvo anunciou que passará a fabricar apenas veículos elétricos ou híbridos a partir de 2019. O mesmo processo acontece nas montadoras francesas. Há poucas semanas, o grupo PSA anunciou que 80% de sua gama de carros em todo o mundo passará a ser elétrica ou híbrida até 2023.

Plano ambicioso

Para o jornal econômico Les Echos, o plano do ministro francês é ambicioso. "Apenas para lembrar, os veículos movidos a gasolina e a diesel - inventados no fim do século XIV - representam 95,2% da frota na França", escreve o diário. No primeiro semestre deste ano, apenas 3,5% do total de vendas de automóveis no país diz respeito a veículos híbridos e 1,2% a elétricos, destaca o jornal. Mas, para Nicolas Hulot, a situação pode ser revertida jogando com o "efeito psicológico" do consumidor francês, incentivando-o desde agora a se abrir à possibilidade de adquirir carros menos poluentes.

Será que o governo Macron vai marcar a história com um modelo de desenvolvimento fundado no abandono do carvão, do petróleo e de outras energias fósseis?- pergunta Les Echos. Ainda não se sabe se todos os objetivos serão cumpridos, mas, em todo o caso, o jornal salienta que a nova administração parece estar engajada a enviar a todo o mundo uma imagem ofensiva da França no combate contra o aquecimento global.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.